Acesse!


BRPRESS NO TWITTER

CARNAVAL - Viradouro ganha com Ganhadeiras de Itapuã
Qua, 26 de Fevereiro de 2020 18:35

Sereia em destaque da Viradouro: escola diz que tanque com s...

(Rio de Janeiro, brpress) - As Ganhadeiras de Itapuã, grupo musical de lavadeiras baianas descendentes de escravos, deram à escola de samba Unidos do Viradouro o troféu de campeã do Carnaval 2020 do Rio de Janeiro. 

O enredo, inspirado nas cantigas das ganhadeiras, fala da história destas mulheres consideradas as primeiras feminista do Brasil. Por isso, a Viradouro – escola que fez história sob o comando do carnavalesco Jõaosinho Trinta (1933-2011) – levantou a bandeira do empoderamento feminino.

Na bateria e na Ala de Força 

Todo o último setor da Viradouro foi exclusivamente feminino: destaques a componentes de alas, diretores de ala e de harmonia até a Ala da Força – funcionários que empurram as alegorias. As ritmistas tiveram fantasia diferente das dos homens da bateria. 

O nome Ganadeiras vem do fato de que, quando o grupo conseguia algum dinheiro, comprava a alforria de escravos da região. Essas mulheres faziam trabalhos manuais e vendiam cestos de palha, colares e adereços, como as chamadas joias de crioula – adornos geralmente de prata usados por africanas. Muitas ganhadeiras tinham mais de um marido. 

Musicalidade

Da musicalidade das Ganhadeiras de Itapuã, que cantam à beira da Lagoa do Abaeté,  nasceu o samba de mar aberto, que mescla características com as cirandas nordestina.

Além da musicalidade do grupo, a Viradouro também retratou a religiosidade delas, conforme revelam os carnavalescos Tarcísio Zanon e Marcus Ferreira. Eles são casados há cinco anos e trabalharam em dupla pela primeira vez na Viradouro.

O grupo de encerramento do destile se chamou "Lute como uma Mulher!" e levou mulheres negras ligadas à pauta feminista à Sapucaí.