Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

o trabalho do artista chinês Sun Xuno trabalho do artista chinês Sun Xun

Art Beijing 2020 examina pandemia

(brpress*) - Cena artística da China é uma das primeiras a sair do confinamento com a Art Beijing 2020, apesar do medo de uma segunda onda do coronavírus.

(bpress*) – A cena artística da China é uma das primeiras a sair do confinamento, apesar do medo de uma segunda onda do coronavírus, devido ao surgimento de novos casos após dois meses zerados, e do estrito controle das autoridades – que o trabalho do artista chinês Sun Xun, um dos mais importantes da atualidade, critica severamente.

Algumas galerias de Pequim foram reabertas para mostrar trabalhos que compõem a Art Beijing 2020. É o maior evento de arte contemporânea do país, que, este ano, reflete sobre os efeitos da pandemia no dia-a-dia. As exposições acontecem de 24 a 27 de junho. 

‘Covid free’ por um dia

Não se sabe exatamente como a Art Beijing vai acontecer. Há uma tensão no ar – que talvez lembre o que os brasileiros, especialmente os mais pobres, vêm enfrentando –, gerada pela necessidade de voltar à “normalidade”, expressa pelas decisões dos governantes, e o fantasma da volta do lockdown. 

Por apenas um dia, Pequim ostentou o status ‘Covid free’. Em 9 de junho, as autoridades de saúde da cidade deram uma entrevista coletiva à imprensa sem usar máscaras para anunciar que não havia novos casos de infecção e nem suspeitas. Mas esse quadro mudou no dia seguinte. Em 18 de junho, autoridades disseram que o vírus estaria “sob controle”. 

Museus fechados, galerias abertas

Pequim é famosa por suas mesas nas calçadas, seus cafés, restaurantes, nightclubs e vida cultural. As autoridade isolaram algumas partes da cidade, onde surgiram casos, e deixaram outras entreabertas. Museus, como o Museu de Arte de Pequim Minsheng e o recém-inaugurado X Museum, fecharam as portas voluntariamente.

Mas o distrito artístico 798, que inclui o Centro de Arte Contemporânea UCCA e várias galerias comerciais participantes da Art Beijing 2020, está voltando a atrair movimento. As galerias funcionam restringindo a visitação a um número limitado de pessoas por vez, usando e abusando do álcool gel, fazendo checagem de temperatura e cadastrando visitantes na entrada.

(*) Com informações do The Art Newspaper, The Guardian e Al Jazeera in English. 

Comentários

Publicar Comentário