Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

StrandedStranded

Coletivo une artistas e lança #CreateArtforEarth

(Londres, brpress) - Jane Fonda encabeça campanha global para incentivar produção artística sobre a crise climática e inspirar ações.

(Londres, brpress) – O time promete não deixar pedra sobre pedra neste Dia da Terra 2020 (22/04) e além. Os artistas Judy Chicago e Swoon se uniram a Jane Fonda e sua iniciativa ambiental Fire Drill Fridays, uma parceria com o Greenpeace EUA para lançar a . Juntaram-se a eles a iniciativa Mulheres, Artes e Mudança Social, do Museu Nacional das Mulheres nas Artes (NMWA), em Washington, DC, e Galerias Serpentine, em Londres.

 “Podemos superar essa crise de saúde e voltar ao normal ou podemos perceber que ‘normal’ era o problema e escolher um caminho melhor”, conclama Jane Fonda. Para colocar mais lenha na fogueira dos protestos que a atriz e outros atores, como Joaquin Phoenix, estavam fazendo todas as sextas-feiras em frente à Casa Branca – conhecidos como Fire Drill Fridays –, este criou a campanha criativa global para incentivar a produção de arte sobre a  crise climática e inspirar ações. 

Envie sua obra 

A campanha começa com uma chamada aberta para qualquer pessoa enviar trabalhos artísticos ou mensagens abordando a justiça climática, e publicá-los nas mídias sociais usando a hashtag Os trabalhos podem ser pinturas, fotografias, esculturas, imagens, textos, poemas, símbolos ou qualquer outra representação visual que contenha uma mensagem ambiental ou, como prefere Fonda, “tudo que oferece esperança a um mundo que está no caminho errado”. 

A atriz, de 83 anos – que tem longa experiência de ativismo e ainda carrega o apelido de Hanói Jane, devidos aos seus midiáticos protestos contra a Guerra do Vietnã, em 1973 –, acredita no poder de transformação da arte com atitude.  “Durante transições históricas, a arte sempre foi crítica. Isso nos lembra que o mundo como é não é tudo o que existe, que existem outras possibilidades de lutar. A arte pode nos abrir e penetrar em nossas defesas, para que possamos ver e ouvir o que temos medo.”

Morte e a extinção

A artista Judy Chicago, com quem estivemos no festival Sargent Pepper’s at 50, em Liverpool, Inglaterra, continua na onda de seu mais recente trabalho, a série The End. É sobre a morte e a extinção,  vinculando a sobrevivência humana a dos animais selvagens. Jane Fonda lembra que o  “o ‘normal’ [o mundo até a pausa por causa da pandemia] significava derretimento de camadas de gelo, espécies extintas, milhões de refugiados climáticos”. 

Judy Chicago endossa: “Nas últimas décadas, testemunhamos o derretimento do gelo do Ártico; o aquecimento dos oceanos; incêndios florestais maciços; mudanças dramáticas nos padrões climáticos; a extinção de centenas de criaturas vivas; e agora, o coronavírus que está prejudicando o comportamento humano em todo o planeta, causando a perturbação dos sistemas econômicos em um nível nunca visto antes, além da morte para milhares de pessoas”, recapitula. “Acho que os artistas podem ajudar a compreender  por quê”. 

Imaginar e agir

Judy Chicago e Swoon também abordaram sua prática artística como defesa da sustentabilidade e do meio ambiente na série FRESH TALK da NMWA.  “O primeiro passo para a ação é um ato de imaginação”, define Swoon. “Existem muitas maneiras pelas quais a arte fará parte de como sobreviveremos à crise climática e à pandemia atual, ajudando-nos a superar medos paralisantes para que possamos agir de forma construtiva, mantendo nossos corações e mentes inspirados pelo que importa, e até usando o processo criativo para lidar com soluções tangíveis.”

“Acreditamos que pode desempenhar um papel importante ao despertar as pessoas para a urgência e as soluções”, afirma Jane Fonda. A campanha foi concebida como parte do Back to Earth, da Serpentine. Trat-se de um novo projeto plurianual que convida artistas a propor campanhas que respondam à crise ambiental, com o apoio de organizações e redes parceiras.

Papel da arte

“Neste momento de saúde pública e crise ecológica, perguntamos: ‘Qual é o nosso papel como espaço de exposição, como instalação para artistas e ideias?”, questiona Hans Ulrich Obrist, diretor artístico da Serpentine Galreies: “Esperamos ansiosamente ver tudo o que essa iniciativa vai gerar, apresentar os trabalhos online e, quando as galerias reabrirem, fazer uma grande exposição”. 

Judy Chicago publicará obras de arte em @judy.chicago e através de sua organização artística sem fins lucrativos, Through the Flower [ throughtheflower.org ]. E, claro, assim que o mundo voltar ao (a)normal, as sextas-feiras do Fire Drill mostrarão obras de arte em seus canais sociais @FireDrillFriday e escolherão peças selecionadas para serem exibidas em futuros comícios. O Greenpeace EUA apresentará obras de arte em seu site e em seus canais sociais. 

Comentários