Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Cinturão: obra de Pop Art de Claudio Tozzi denuncia a censura nos anos 60. Reprodução: ceciliabrunsonprojects.comCinturão: obra de Pop Art de Claudio Tozzi denuncia a censura nos anos 60. Reprodução: ceciliabrunsonprojects.com

Pop Art conecta São Paulo e Londres

(São Paulo/Londres, brpress) - Respingos da mostra The World Goes Pop, que ocupou a londrina Tate Modern, de setembro de 2015 a janeiro de 2016, e que a brpress viu e gostou, aconteceram na SP-Arte.

(São Paulo/Londres, brpress) – A Pop Art está conectando Londres e São Paulo. Respingos da mostra The World Goes Pop, que ocupou a londrina Tate Modern, de setembro de 2015 a janeiro de 2016, e que a brpress viu e gostou, aconteceram na SP-Arte. A Ricardo Camargo Galeria levou à edição 2016 da maior feira de arte do país, encerrada em 10 de abril, uma seleção de peso de representantes brasileiros do movimento. “É só a ponta de um iceberg, como se uma caixa de Pandora estivesse sendo aberta”, disse a galerista londrina Cecilia Brunson, curadora da exposição The World Goes Pop, que tem levado artistas brasileiros a Londres.

    A Ricardo Camargo caprichou na seleção de artistas expostos na SP-Arte 2016: Rubens Gerchman, José Roberto Aguilar, Antonio Henrique do Amaral, Samuel Szpigel, Nelson Leirner, Roberto Magalhães, Glauco Rodrigues, Marcelo Nitsche, Claudio Tozzi e Wesley Duke Lee – estes cinco últimos também tiverem muito destaque na Tate Modern. Cecilia Brunson montou em sua própria galeria, a Cecilia Brunson  Projects, em Londres, a primeira individual de Claudio Tozzi no Reino Unido: New Figuration and the Rise of Pop Art 1967-1971 (“Nova Figuração e o Advento da Pop Art 1967-1971”), reunindo obras dos anos 60 e 70, até março último.

    Tozzi foi um dos um dos expoentes mais importantes do avant-garde brasileiro na década de 60 e continua a morar e criar obras em sua terra natal, São Paulo. Sua pegada crítica e fundamentalmente política com relação à cultura de consumo faz um contraponto ao trabalho dos principais artistas pop britânicos e norte-americanos que, na maioria das criações, celebraram a cultura de consumo (vide Andy Warhol). Os latino-americanos, como se viu em The World Goes Pop, apostaram “numa abordagem muito particular e talvez exclusiva para o gênero”, diz Ricardo Camargo.

‘Desemparedando’ o pop brasileiro

    Para o galerista, o momento é de redescoberta desses artistas. “Dedico-me a esse tema justamente por ser muito significativo para mim. Não só acompanhei o lançamento de todos, como reuni oito destes nomes, em 2007, na mostra Vanguarda Tropical. A presença de Wesley Duke Lee na exposição The World Goes Pop só confirmou aquilo que eu estava esperando há muito tempo: chegou a hora de ‘desemparedar’ a geração de 1960″, comenta.

    Cecilia Brunson está empenhada em estreitar as conexões da arte moderna e contemporânea brasileira com a Grã Bretanha. A curadora independente e especialista em arte latino-americana, nascida no Chile, está colaborando com a Almeida e Dale Gallery, em São Paulo, em uma série de três exposições na Cecilia Brunson Projects. A primeira foi  de Claudio Tozzi. Ainda restam duas mostras, ainda não reveladas.

Mais uma exposição

    A brpress também apurou, com exclusividade, que está sendo planejada pela Ricardo Camargo Galeria, com data a ser definida, uma mostra coletiva sobre a Pop Art brasileira ainda para 2016. Adiantaremos mais detalhes em breve.

BOX –  POP ART FOI POLÍTICA NO BRASIL
(brpress) –  Nos anos 1960, início do movimento no Brasil, frutificou entre os artistas locais uma tendência irônica derivada da Pop art norte-americana. Aderindo apenas à forma e à técnica utilizada na Pop Art, expressaram a insatisfação com a censura instalada na época, enfocando questões sociais e políticas.

    O vigor, a originalidade, a transgressão e a ruptura com a arte do passado são os elementos característicos, com a utilização de novas técnicas e materiais, como o acrílico e o plástico e a incorporação de objetos às obras. A Pop Art é considerada como um marco de passagem da modernidade para a pós-modernidade na cultura ocidental.

    Leia mais sobre a mostra The World Goes Pop aqui. Veja mais obras da Pop Art no Facebook.