Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Allan dos Santos, do blog Terça Livre, que apoia o governo e recebe verba do mesmo, ao lado de Bolsonaro. Foto: DCMAllan dos Santos, do blog Terça Livre, que apoia o governo e recebe verba do mesmo, ao lado de Bolsonaro. Foto: DCM

CPI das Fake News acha anúncios do governo em sites de conteúdo inadequado

Presidente da comissão parlamentar de inquérito diz que vai incluir em seu relatório e no projeto de lei que trata de fake news proibição de anúncios do governo em sites que publicam notícias falsas.

(brpress) – A CPI das Fake News identificou dois milhões de anúncios do governo pagos com dinheiro público em sites de jogos de azar, pornográficos e que apoiam Bolsonaro, como o blog Terça Livre, de Allan dos Santos. O site identificado com o maior número de anúncios é o Resultado do Jogo do Bicho, proibido no Brasil. 

O senador Ângelo Coronel (PSD-BA), presidente da CPI das Fake News, afirmou a O Globo que vai incluir em seu relatório e no projeto de lei  2630/2020) que trata de fake news uma proibição de anúncios do governo em sites que publicam notícias falsas. Mas ainda não está claro sobre como este difícil controle será feito.

Território político-ideológico

O fenômeno das fake news ganhou corpo em meados da década passada e, desde então, vem crescendo, especialmente no território político-ideológico.  A Secretaria de Comunicação Social, responsável pelos anúncios do governo federal, ainda não se pronunciou a respeito.

Em uma petição no Avaaz – #ParemAsFakeNews  milhares de brasileiros querem mostrar os pontos concretos que desejam ver inseridos na lei, pois, sem eles, não será eficiente para combater a desinformação e danos colaterais. A petição alerta ao fato de que as redes sociais podem estar tentando enfraquecer essa PL, porque o impulsionamento de notícias – independente de serem falsas ou não – são a fonte de receita destas empresas.   

#brpressconteudo #fakenews #noticiasfalsas #cpidasfakenews #Bolsonaro ParemAsFakeNews