Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Mulher fuma cigarro de maconha. Foto: ahduvido.com.brMulher fuma cigarro de maconha. Foto: ahduvido.com.br

Decisão sobre porte de drogas deve promover direitos

(São Paulo, brpress*) - Para Human Rights Watch descriminalização do consumo pessoal, julgado nesta quarta (09/09), será importante avanço.

(São Paulo, brpress*) – A descriminalização do porte de drogas para consumo pessoal, que está na pauta do Supremo Tribunal Federal para julgamento nesta quarta-feira (09/09), pode marcar um importante avanço no campos dos direitos humanos, defende a ONG internacional Human Rights Watch.

    “Há muitas medidas que o Estado brasileiro pode e deve tomar para impedir o consumo prejudicial de drogas, assim como tem adotado políticas públicas para além da esfera penal contra o consumo abusivo de álcool e tabaco”, diz Maria Laura Canineu, diretora do escritório Brasil da Human Rights Watch. “O que não se deve fazer é punir usuários de drogas pela legislação criminal”.

Direito à privacidade

    A Suprema Corte decidirá se a lei que considera crime a posse de drogas para consumo pessoal viola ou não o artigo 5º da Constituição Federal, que garante o direito à privacidade. O direito à privacidade é amplamente reconhecido na legislação internacional, inclusive no Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos e na Convenção Americana de Direitos Humanos, ambos ratificados pelo Brasil.

    Pesquisas realizadas pela Human Rights Watch em diversos países apontam que a criminalização do consumo de drogas tem, em especial, comprometido o direito à saúde. O temor de sanções criminais impede usuários de drogas de buscarem serviços e tratamentos de saúde, aumentando o risco de violência, discriminação e doenças graves.

    Proibições penais também têm impedido o uso de drogas para pesquisas médicas legítimas e o acesso de pacientes a drogas para tratamentos paliativos ou contra dor. 

Proteção contra danos

    Os governos têm um interesse legítimo em proteger terceiros contra danos causados pelo uso de drogas, como dirigir sob o efeito delas. Eles podem impor, em consonância com os direitos humanos, sanções criminais proporcionais para comportamentos que ocorram conjuntamente com o consumo de drogas, se estes comportamentos causarem ou colocarem terceiros em sério risco.

    De acordo com a legislação brasileira, a posse de drogas para consumo pessoal é um crime, embora a prisão não seja a penalidade aplicada. As pessoas condenadas pelo crime em questão estão sujeitas à advertência sobre efeitos das drogas, prestação de serviços à comunidade ou comparecimento à programa ou curso educativo.

    A condenação, entretanto, é incluída nos antecedentes criminais dos usuários de drogas, o que ocasiona consequências negativas em vários aspectos da vida dos mesmos, inclusive na obtenção de emprego.

    “Sujeitar pessoas a sanções penais pelo consumo pessoal de drogas ou posse de drogas para uso próprio é desnecessário e desproporcional para este comportamento que é, em última análise, uma escolha pessoal”, afirma Maria Laura. “O consumo pessoal de drogas deve ser tratado como parte do direito à privacidade a da autonomia individual”.

Primeiro passo

Em 20/08, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), relator do Recurso Extraordinário (RE) 635659, com repercussão geral reconhecida, votou pela inconstitucionalidade do artigo 28 da Lei de Drogas (Lei 11.343/2006), que define como crime a porte de drogas para uso pessoal.

Segundo o entendimento adotado pelo ministro, a criminalização estigmatiza o usuário e compromete medidas de prevenção e redução de danos. Ele destacou também que se trata de uma punição desproporcional do usuário, ineficaz no combate às drogas, além de infligir o direito constitucional à personalidade.

(*) Com informações da Human Rights Watch.