Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Joaquin Phoenix como Coringa: matando e dançando. Foto: Warner Bros. PicturesJoaquin Phoenix como Coringa: matando e dançando. Foto: Warner Bros. Pictures

Coloque um sorriso nessa cara

brpress) - Ria. Ria de si mesmo. De sua própria desgraça. Só assim poderá rir da desgraça alheia. Do mundo pavoroso. Ria para não chorar. Esse é o lema do Coringa de Joaquin Phoenix. Por Juliana Resende.

(brpress) – Ria. Ria de si mesmo. De sua própria desgraça. Só assim poderá rir da desgraça alheia. Do mundo pavoroso. Ria para não chorar. Esse é o lema de Arthur Fleck (Joaquin Phoenix, magnífico), o portador da síndrome Pseudobulbar que sonha em ser comediante até que cansa de apanhar e começa a bater. Esse é o Coringa (Joker, 2019), de Todd Phillips. Um tratado sobre maus tratos e loucura. 

Dá medo ver a transformação de um palhaço inofensivo e esquisitão num psicopata com P maiúsculo. P de piada. P de pirado. P de Pseudobulbar – condição rara que faz os portadores rirem e chorarem sem controle, entre outras coisas –, a única fonte de laboratório para Phoenix, segundo ele próprio. “O pior de ter uma doença mental é as pessoas quererem que você aja como alguém normal”, escreve Arthur, em seu caderninho de anotações mais assustador que o rascunho do inferno. 

A construção do vilão que aterroriza Gotham City – uma metáfora da NY decadente dos anos 80 – não poderia ser mais convincente. Afinal, esse é um filme para chamar de seu. Só seu. Ninguém (nem Robert De Niro, como um apresentador que Arthur idolatra) parece ter força suficiente para contracenar com a intensidade e entrega de Joaquin Phoenix ao seu Coringa. Pele e osso (o ator de 44 anos é vegano e diz que fez “uma dieta radical” para o filme), com aquele olhar que lhe é característico, Phoenix é cotadíssimo para o Oscar (agora vai levar?). 

Piti

A Academia terá de engolir este freak que deu piti numa entrevista ao Telegraph. Levantou e saiu da sala quando o jornalista perguntou o que ele acha dos rumores de que Coringa incita a violência e encoraja psicopatas (até o exército americano está de prontidão para a estreia, em 03 de outubro). O ator se irritou como é de praxe – Phoenix odeia dar entrevistas e faz questão de parecer ainda mais esquisito na vida real. Não olha em direção ao entrevistador e balbucia respostas no vários ‘fuck’ no meio. 

O diretor de Se Beber, Não Case! (estrelado por Bradley Cooper, produtor de Coringa) ganhou o Leão de Ouro em Veneza este ano com um filme em que a comédia dá lugar à tragicomédia. “Nossa maior inspiração para criar este Coringa foi o filme O Homem que Ri [filme-transição do cinema mudo para o sonoro, de 1928, do cineasta expressionista alemão Paul Leni*]”, disse Phillips, na entrevista coletiva no Festival de Veneza 2019.

A embriaguez de Arthur está no riso histérico compulsivo e seus “companheiros de bebedeira” são o desamor e a dor. O Coringa, que Todd Phillips disse ter criado com uma foto de Phoenix na parede, é uma desconstrução dark do time de super-heróis altruístas, lindos e superdotados que a DC e Marvel andaram colocando nas telas. 

Jugular

Coringa é um filme que te pega pela jugular. Você tenta engolir a seco mas não desce. Não se trata de um filme repugnante – ao contrário, é um filme dramático, triste, sobre abandono, solidão, inocência e a perda dela. Um filme político (daí a prontidão das Forças Armadas dos EUA), sobre a luta de classes e as injustiças.

Um filme de arte – Coringa é um artista em sua essência, dotado de mais senso de marketing que de talento, mas certamente de muita graça – especialmente quando dança (Phoenix teve aulas de expressão corporal e isso faz toda a diferença na composição desse personagem que agora é o fascínio das massas e dos cinéfilos).

Palhaços

No purgatório urbano, a revolução é feita por palhaços – não foi assim que o bilionário Wayne, candidato a prefeito, chamou o povo? O motim coletivo que faz NY arder em chamas inspirado no Coringa é mais amedrontador que o proprio. O personagem é trágico, pesado, mas também é leve quando se assume um lunático sem medo de sangue, sem medo de si mesmo, sem nada a perder. Ele é delicado, criativo, elegante até. Há uma sofisticação psicológica no Coringa que poucos super-heróis se dão ao luxo.

O filme tem um toque vintage, desde os letreiros, uma homenagem ao DNA de Hollywood e da indústria do entretenimento. A trilha sonora não original (esta é de ildur Guðnadóttir, da série Chernobyl, da HBO) remete aos musicais, a filmes de sapateados como os do ator e dançarino Ray Bolger (o espantalho de O Mágico de Oz) – especialmente The Old Soft Shoe

(1957). Foi a partir daí que Phoenix – que costumava fazer coreografias com os irmãos (incluindo o falecido River Phoenix) nas ruas quando criança – decidiu que Coringa dançaria depois de matar. 

O resto é para ficar na história do cinema. 

(*) O Homem que Ri (The Man Who Laughs) é conhecido pela assustadora caracterização do personagem principal (Conrad Veidt), cuja face desfigurada o faz parecer com um sorriso perene e que leva o filme a ser classificado como de terror.  

(Juliana Resende/brpress)

REPRODUÇÃO TOTAL E/OU PARCIAL DESTE CONTEÚDO SOMENTE AUTORIZADA PELA BRPRESS

Assista ao trailer de Coringa: 

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.