Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Cena de AlmanyaCena de Almanya

Imigração na tela em Berlim

(Berlim, brpress) - Almanya – Bem-vindo À Alemanha, exibido no Festival, conta história do emigrante de no. 1.000.001 chegado no país, um turco. Por Rui Martins.

(Berlim, brpress) – Vivem hoje dois milhões de turcos na Alemanha. A emigração turca começou nos anos 50 do século passado, pois, mesmo com emigrantes espanhóis e portugueses, faltavam braços na indústria e na construção na Alemanha. No dia 10 de setembro de 1964, ao entrar na Alemanha o milionésimo emigrante, o governo alemão assinalou essa passagem e ofereceu prêmios de boas-vindas ao emigrante, um português. O filme Almanya – Bem-vindo À Alemanha, exibido no Festival de Berlim,  conta a história do emigrante que chegou a seguir, o de no. 1.000.001, um turco, e da família que trouxe para a Alemanha, até uma homenagem da chancheler Angela Merkel aos emigrantes daquela época.

    Sem dúvida, esse filme positivo sobre a integração dos emigrantes turcos na Alemanha, que omite as lembranças amargas, dirigido por uma neta de emigrante, Yasemin Samdereli, e com cenário de sua irmã Nesrin Samdereli, seria um forte concorrente ao Urso de Ouro, mas não não participa da competição. O momento de sua exibição, paradoxalmente, mostra, tanto na Alemanha como na União Européia, um clima desfavorável à emigração. Faz pouco tempo, Angela Merkel afirmou ter sido um fracasso a política alemã multicultural, enquanto a UE decretou ser crime punível com prisão e expulsão a imigração clandestina.

Integração e identidade

    Mas Almanya não é de contestação e sim  parte da constatação de que os primeiros imigrantes são hoje avós de netos integrados na Alemanha, alguns deles nem sabendo falar mais o idioma de origem. É verdade que a Alemanha não ajuda nisso, pois embora nas escolas existam o inglês e o espanhol nos currículos, não há o ensino do turco. Entretanto, a integração é um fato.

    Tanto que, faz alguns anos, a revista Spiegel publicava uma capa, na qual um turco de bigode era mostrado como o futuro alemão, diante da taxa de natalidade muito mais alta destes emigrantes que a dos alemães. Isso, porém, não impede que muitos imigrantes e seus filhos e netos tenham uma crise de identidade – se são alemães ou se são turcos.

    A história da integração do imigrante turco Hueseyin Yilmaz é plena de momentos de emoção, como a ocasião em que recebe seu passaporte alemão. O filme tem momentos de humor que lembram um filme suíço sobre a mesma temática do imigrante, Os Fazedores de Suíços, sobre as absurdas exigências aos estrangeiros para se tornarem suíços.

Assimilação

    A história dos imigrantes, e particularmente dos turcos, vem sendo contada por eles próprios ou por cineastas alemães. Porém, a maioria desses filmes fala de não integração, de racismo ou problemas vividos por mulheres impedidas de se integrar por seus maridos.

    A diferença religiosa parece deixar de ser problema em pouco tempo, com turcos muçulmanos com árvores de Natal e seus filhos cantando cânticos católicos. No filme Almanya , mostra-se que um dos filhos do imigrante Yilmaz tinha medo do crucifixo e que a ideia de comer “o corpo de Cristo”, na hóstia ou na Santa Ceia, soa como antropofagia.

(Rui Martins/Especial para brpress)

Comentários

Publicar Comentário