Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Entre o Céu e a TerraEntre o Céu e a Terra

Paraíso perfeito de Peter Jackson

(brpress) - Mistura impecável da comovente história da garota assassinada e dos devaneios de seu espírito faz diretor de O Senhor dos Anéis acertar com a estreante irlandesa Saoirse Ronan. Por Eliane Maciel.

(brpress) – É bem verdade que  Um Olhar do Paraíso (The Lovely Bones, EUA, 2009), adaptação do romance Uma Vida Interrompida – Memórias de um Anjo Assassinado, de Alice Sebold, e mais recente longa do criador da trilogia O Senhor dos Anéis, Peter Jackson, terá, com sorte, uma participação tímida no Oscar 2010, caso vença na categoria Melhor Ator Coadjuvante. O filme ganha, de fato, notoriedade a partir de sua protagonista: a garotinha irlandesa Saoirse Ronan, que encanta à primeira vista –  tanto por sua beleza angelical quanto pela leveza de sua interpretação num enredo tão pesado.

O filme se passa no início da década de 1970 e conta a história de Susie Salmon (Saoirse), uma menina de 14 anos, apaixonada por um garoto mais velho de sua escola e que almejava ser uma grande fotógrafa no futuro. Com uma família acolhedora e tradicional, Susie nunca teve que enfrentar problemas em seu lar. Era bem-humorada e extrovertida, e ainda podia contar com o apoio de sua avó materna, alcoólatra e totalmente “prafrentex” (para variar, interpretada brilhantemente por Susan Sarandon).

Visão de quem já foi

Por infelicidade do destino, uma dia, ao voltar para casa após a escola, Susie é abordada por Harvey (Stanley Tucci), vizinho da família, que acaba assassinando a garota. A partir de sua morte, o filme mostra um ponto de vista bastante peculiar a respeito do assunto, já que Susie narra sua experiência pós-morte do começo ao fim, em sua estadia em um “Paraíso intermediário”, entre a Terra e o Céu.

Ela começa a acompanhar de fora como sua família (destaque para a atuação de Rachel Weisz, como a mãe) vai se desintegrando devido às dores por seu sumiço e como amigos e o próprio assassino continuam suas vidas após a tragédia, além de ter que lidar com a aceitação de sua própria morte que interrompera seu pleno esplendor da vida. Mas tudo isso acontece, incrivelmente, de uma forma leve, nada dark e deprimente – por mais difícil que seja imaginar.

Cinema inspirador

Peter Jackson, ao lado de seus roteiristas, consegue realizar tal proeza com graça e de uma forma estranhamente reconfortante, através do seu exímio trabalho com as câmeras (os closes de detalhes e expressões, bem a la Michael Mann com uma pitada Lynchiana de um mundo surreal), com as cores setentistas, trilha sonora tridimensional, efeitos visuais delicados porém encantadores e com uma edição digna de aplausos.

Apesar de ser um filme sobre dor, perda, traumas e injustiças, Um Olhar do Paraíso traz uma atmosfera de esperança e uma outra visão da morte, muito diferente do que a grande maioria das pessoas teria em uma situação como a que é apresentada ao público. Ao falar sobre o filme ao USA Today, Peter Jackson declara que sua mulher, Fran Walsh, é quem melhor define a história, defendendo que tudo o que se passa “é sobre o triunfo de um coração generoso e que ama sobre um coração vazio. É sobre uma garota que se recusa a deixar a tragédia e a injustiça de sua morte definirem a sua vida”.

Comparado a seus trabalhos mais recentes, Um Olhar do Paraíso, apesar de seus US$ 65 milhões investidos, é algo simplista e particular. Diferente de toda a explosão visual de O Senhor dos Anéis, por exemplo, o filme está muito mais próximo ao trabalho que rendeu a Peter Jackson sua primeira indicação ao Oscar, o drama Almas Gêmeas (Heavenly Creatures, Nova Zelândia, 1994).

(Eliane Maciel/Especial para brpress)

Comentários

Publicar Comentário