Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Lupita Nyong’o e David Oyelowo no lançamento de Rainha de KatweLupita Nyong’o e David Oyelowo no lançamento de Rainha de Katwe

Rainha de Katwe: quando pobreza e xadrez inspiram

(Londres, brpress) - Conversamos com o ator David Oyelowo na estreia europeia do filme, rodado numa favela de Kampala e ovacionado no London Film Festival. Veja trailer. Por Aynur Simsek.

(Londres, brpress) – Uma história real inspiradora. Assim é Rainha de Katwe (Queen of Katwe, produzido pela Disney), que a brpress viu em sessão com elenco – majoritariamente negro – e a diretora Mira Nair (Um Casamento à Indiana), como parte da programação do 60o. BFI London Film Festival que, este ano, homenageia e discute o papel dos negros no cinema. 

Misturando xadrez e pobreza numa favela de Kampala, em Uganda, o filme desperta todos os sentidos. A história é vibrante, mostrando a trajetória de uma garota, Phiona Mutesi (a estreanteMadina Nalwanga),  que se torna gênio do xadrez apesar do cenário devastador da África. Aqui, o feio fica bonito, graças às cores, às paisagens e às personagens – convincente e emocionalmente tocantes.

Fome de aprender

O destino de Phiona toma outro rumo quando o missionário Robert Katende (David Oyelowo) entra em cena e une a comunidade em torno do xadrez, ensinando o jogo e o modo de pensar derivado dele a crianças carentes.  Aos 10 anos e com poucas opções de diversão, Phiona fica hipnotizada pelas belas peças e o tabuleiro. 

Logo o professor percebe a habilidade de Phiona: pensamento estratégico, disposição em correr riscos e fome de aprender. Seu rápido aprendizado abre portas de competições e turnês, apesar do ceticismo da mãe (Lupita Nyong’o). Falando no Tapete Vermelho do filme no Festival de Londres, a diretora indiana Mira Nazir deu uma declaração sentimental: “Vejo beleza nas circunstâncias mais difíceis”. 

Ninguém e todos

David Oyelowo (pronuncia-se  “oh-yellow-oh”) diz que Rainha de Katwe é “uma história impossível tornada possível por causa do apoio da família, da mentoria, do encorajamento, trabalho duro e fé. É uma história que fala de ninguém e de todos e eu estou imensamente orgulhoso de estar participando dessa mensagem, no meu país [Oyelowo disse que teve de deixar o Reino Unido para procurar mais oportunidades nas artes cênicas sendo negro] e nesse festival maravilhoso”.  

Claire Stewart, diretora do BFI London Film Festival, lembrou que Rainha de Katwe é parte do programa Black Star, lançado no festival, que discute e apresenta, em todo o Reino Unido, a rica participação dos negros na indústria do entretenimento, do cinema à música – cujo “embaixador” é Oyelowo. O filme teve sua estreia europeia em Londres e chega ao Brasil em 24/11. A plateia londrina aplaudiu de pé. 

(Aynur Simsek/Especial para brpress) 

Assista ao trailer de Rainha do Katwe:

https://www.youtube.com/watch?v=9FfZ9q7N13E

Comentários

Publicar Comentário