Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Shakespeare pós-moderno

(Berlim, brpress) - Coriolanus, apesar de usar armas de guerra atuais, guarda a linguagem shakespeariana – e esse é o seu principal sabor. Por Rui Martins.

(Berlim, brpress) – Raph Fiennes deixa Lord Voldemort em paz até que o último Harry Potter seja lançado este ano para mergulhar no universo de Shakespeare. Ele é o diretor e o principal ator do filme inglês Coriolanus, cujo mote é transportar a guerra entre Roma e os Volcos para os nossos dias, com tanques de guerra, bazucas, metralhadoras da última geração e gente morrendo e correndo nas ruas.

    Não por acaso, foi a Sérvia que cedeu os locais para os confrontos entre o herói romano Caius Martius, o Coriolanus do título (Fiennes), mostrado como um sanguinário guerreiro, e seu adversário Tullus Aufidius (Gerard Butler, o Rei Leônidas de 300). Os atores, acompanhados por Vanessa Redgrave (Volumnia), concederam uma entrevista coletiva no Festival de Berlim, onde o filme foi exibido.

    Coriolanus, apesar de usar armas de guerra atuais, guarda a linguagem shakespeariana – e esse é o seu principal sabor. Linguagem ainda mais marcante, quando pronunciada pela imponente atriz inglesa Vanessa Redgrave, no papel de mãe guerreira de Caius Martius, cujo nome passa a ser também Coriolanus, em homenagem à sua vitória sobre os Volcos, na batalha decisiva de Corioles.

    A vitória de Martius Coriolanus lhe deu enorme popularidade e sua ambiciosa mãe, Volumnia, assim como políticos amigos, quer ver o herói militar transformado em homem de Estado. Mas, para isso, Coriolanus precisa ser eleito, e o guerreiro acostumado a responder taco a taco os golpes de seus inimigos, militar sem outra formação, não sabe fazer discursos políticos para conquistar eleitores. Mesmo porque tem, como é comum nas classes dominantes, um profundo desprezo pelo povo.

Revolta popular

    Por isso, provocado por alguns membros da oposição e populares revoltados, já que Roma vivia penúria e fome decorrentes da guerra, assina sua derrota ao perder o controle e injuriar os plebeus. Tudo é transmitido pela televisão.

    De herói, Coriolanus se tranforma, num piscar de olhos, na mais detestada de todas as personalidades romanas e sofre a punição suprema da época – comparável à cassação dos direitos políticos seguida do ostracismo ou banimento de Roma.

    Orgulhoso, ferido na sua vaidade de guerreiro vencedor, revoltado com a ingratidão popular, Coriolanus decide se vingar, unindo-se ao seu inimigo Tullus Aufidius – pelo qual parece ter uma atração mesmo física –, para juntos destruírem Roma. Em outras palavras, de herói vira traidor.

“À altura”

    Antes de ser filme, a peça de Shakespeare foi encenada no teatro, em Londres, dela fazendo parte a atriz Vanessa Redgrave e o ator Gerard Butler, nos papéis que interpretam no cinema. Encantado com o domínio de cena da veterana atriz,  de 74 anos, o ator escocês diz que não resistiu e pergutou à filha de Redgrave de onde ela tirava tanta energia. A resposta foi: “Mamãe simplesmente faz”.

    Butler, relacionado a comédias românticas e heróis musculosos (ele voltou à forma pós-300 em Coriolanus), teve de devolver a ironia da imprensa ao responder  como se sentia ao fazer um longa com recorte mais intectual: “É bom se arriscar. Eu assumo esses desafios para saber se consigo estar à altura de projetos mais intelectualizados”. A julgar pela avaliação positiva de Coriolanus pela crítica, certamente está.

(Rui Martins/Especial para brpress, com informações da redação brpress)

Comentários

Publicar Comentário