Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Emma Thompson estrela Sós em BerlimEmma Thompson estrela Sós em Berlim

Sós contra o nazismo

(Berlim, brpress) - Luta solitária e sem meios de um casal de trabalhadores contra Hitler é o tema do filme Sós em Berlim, destaque na Berlinale. Por Rui Martins.

(Berlim, brpress) – A luta solitária e sem meios de um casal de trabalhadores contra Hitler é o tema do filme Sós em Berlim (Alone in Berlin, 2016), um dos destaques na competição do 66o. Festival Internacional de Cinema de Berlim, que começa em fevereiro. Dirigido pelo suíço-francês Vincent Perez, o filme, ainda pós-produção, com Emma Thompson, Brendan Gleeson, Daniel Brühl e Mikael Persbrandt nos papéis principais.

    Talvez o nazismo não tivesse se desenvolvido na Alemanha a ponto de provocar uma guerra mundial se naquela época existisse a internet e as redes sociais, com a incontrolável possibilidade de contestação e polêmica. Naqueles anos de controle total da sociedade pelo Estado nazista, não havia espaço para divergências. Mas, mesmo assim, alguns ingênuos solitários tentaram fazer frente aos desvarios de Hitler e à opressão da máquina nazista, utilizando os precários meios de que dispunham.

    Foi o caso de um jovem suíço Maurice Bavaud: sem qualquer apoio e agindo individualmente tentou assassinar Hitler, mas esse gesto improvisado foi punido com seu fuzilamento. Outro jovem, esse alemão, Georg Elser, teve também sua tentativa frustrada e acabou fuzilado quase no fim da guerra.
Entretanto, a tentativa mais precária e visionária de luta contra o nazismo foi a do casal Otto e Elise Hampel (vividos por Gleeson e Thompson).

Doméstica e carteiro

    Tanto que as ações pacifistas e mesmo singelas desse casal são consideradas heróicas a ponto de terem inspirado um romancista alemão, um seriado na televisão alemã, uma peça de teatro e agora um filme selecionado para a competição no Festival Internacional de Cinema de Berlim.
Logo após o término da II Guerra Mundial, o conhecido escritor alemão Hans Fallada teve acesso a uma parte dos arquivos da Gestapo e lá encontrou o processo contra dois simples trabalhadores por terem procurado rebelar o povo de Berlim contra Hitler. Tinham apenas o curso primário: ela empregada doméstica e ele carteiro.

    Mas como eles lutaram contra a máquina nazista se sequer armas possuíam? Ambos escreviam cartões postais contra o nazismo, nos quais pediam para as pessoas não cooperarem com o governo nazista, não fazerem doações e não se alistarem ou ajudarem o exército alemão. Na falta das redes sociais de hoje, procuravam tornar visíveis esses pequenos cartões, deixando-os nos bancos de jardins e nas escadas de prédios de apartamentos.

Melhor resistência alemã

    O irmão de Elise tinha morrido como soldado na França ocupada e ela e seu marido se rebelavam contra o absurdo dessa guerra que sacrificava jovens e civis nas invasões. No filme, o casal tem os nomes de Otto e Anna Quangel e o gesto de desafio ao nazismo é motivado pela morte do filho soldado, na França ocupada. Quando o livro de Hans Fallada (pseudônimo de Rudolf Ditzen) foi publicado logo após o fim da guerra e pouco antes da morte do autor, o escritor italiano Primo Levi, sobrevivente dos campos de concentração nazistas, considerou-o o melhor livro sobre a resistência alemã ao nazismo.

    O diretor do filme, Vincent Pérez, é suíço de Lausanne, filho de pai espanhol com mãe alemã. Este é seu quinto filme. Mais conhecido como ator em numerosos filmes como Rainha Margot, de Patrice Chéreau, e ator preferido de Raoul Ruiz, Pérez viveu com Jacqueline Bisset e Carla Bruni, hoje ex-primeira dama da França. Vincent Pérez apoiou publicamente o chefe indígena Raoni na luta contra a construção da barragem de Belo Monte.

(Rui Martins*/Especial para brpress)

(*) Rui Martins fará a cobertura do 66o. Festival Internacional de Cinema de Berlim , de 10 a 21 de fevereiro de 2016.

Comentários