Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Cena de XinguCena de Xingu

Xingu combina com Berlim

(brpress) - "Vamos ver se os alemães vão se emocionar tanto quando quem já viu o filme no Brasil", diz diretor, Cao Hamburger, sobre filme programado para festival de cinema na capital alemã.

(brpress) – Na hora e no lugar certos. Assim será a exibição de Xingu, novo filme de Cao Hamburger (O Ano Em Que Meus Pais Saíram de Férias, 2006), no Festival Internacional de Cinema de Berlim. O tema é mais que atual – índios, queimadas, progresso predador, colonização das culturas primitivas – e Berlim concentra os mais ardorosos defensores da ecologia e do ambientalismo, com um partido Verde fortíssimo.

    Será sucesso garantido para Xingu, uma homenagem aos irmãos Villas-Bôas e sua luta pela criação do Parque Nacional do Xingu.”Vamos ver se os alemães vão se emocionar tanto quando quem já viu o filme no Brasil”, diz Cao, à coluna Direto da Fonte, em O Estado de S. Paulo. O diretor estará em fevereiro, em Berlim, exibindo seu filme selecionado para a mostra Panorama.

    Hamburger, para quem não se lembra, foi o criador do Castelo Rá-Tim-Bum, sucesso na TV Cultura de São Paulo, e diretor que se insere na retomada do cinema e da memória brasileira (O Ano Em Que Meus Pais Saíram de Férias resgata a época da ditadura militar).
   
Crítico

    Ao tratar desta vez dos indígenas, Cao Hamburger exerce um olhar crítico sobre a maneira colonizadora da política indianista e sobre as consequências do progresso e sua ação predadora. De acordo com o diretor, na estreia do filme, em Manaus, no ano passado, se repete a mesma situação de ameaça à cultura indígena com as queimadas e Belo Monte.

    “Belo Monte [a hidrelétrica] é um projeto retrógrado e reacionário”, define ao Estadão. “É uma oportunidade que o Brasil perde de entrar no seculo 21 liderando um novo pensamento político, econômico e de desenvolvimento da humanidade e do planeta. Acho uma pena não haver uma reflexão maior.”

    O Parque do Xingu completou 50 anos de existência e impediu que os índios ali protegidos tivessem sido dizimados pela civilização. Os irmãos Villas-Bôas entraram na floresta e fizeram seu primeiro contato com os índios em 1940, e assumiram, junto ao governo Getúlio Vargas, que pretendia colonizar a região, a defesa dos silvícolas.

    “Se você acha que o Brasil não tem heróis, vá assistir a Xingu”, conclama o diretor. “Esses [os Villas-Bôas] são os verdadeiros heróis. Não precisam ser idealizados”, acredita Cao.