Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Meryl Streep no red carpet do London Film FestivalMeryl Streep no red carpet do London Film Festival

Meryl Streep incorpora sufragista

(Londres, brpress) - Ostentando Meryl Streep como a líder Emmeline Pankhurst, As Sufragistas é um filme sobre mulheres comuns feito por mulheres incomuns. Atriz fala sobre isso. Por Juliana Resende

(Londres, brpress) – Ostentando Meryl Streep como Emmeline Pankhurst – líder do movimento sufragista, que lutou intensamente pelo direito feminino ao voto entre 1903 e 1917, numa Grã-Bretanha onde mulheres só puderam votar em 1928, dez anos depois do direito ter sido concedido a homens acima dos 30 anos, ainda assim mediante a qualificação exigida (ter propriedades era um dos quesitos) –, As Sufragistas (Suffragette, 2015) é um filme sobre mulheres comuns feito por mulheres incomuns. A estreia no Brasil acontece em 24 de dezembro.

A diretora Sarah Gavron, a roteirista Abi Morgan e as atrizes Carey Mulligan e Meryl Streep participaram da coletiva de imprensa no London Film Festival, que teve As Sufragistas em première européia com direito a protestos da ONG feminista Sisters Uncut, contra cortes na verba que recebe do governo britânico para apoiar mulheres vítimas de violência doméstica. Mas foi Meryl quem mais falou e se destacou.

“Apesar do pioneirismo das sufragistas e suas conquistas, ainda há muito a fazer, mesmo que essas mulheres tenham dado um passo sem volta, desafiando tudo e todos. Precisamos continuar essa caminhada”, diz a veterana atriz, lembrando que apesar dos avanços, como o acesso à educação, o quão insignificante ainda é presença feminina nas lideranças de todas as instituições, como a indústria do cinema, por exemplo. “A crítica, os festivais e as produções são majoritariamente compostas por homens. Ora, isso reflete no que é efetivamente produzido e tem de mudar!”.

Female Filmakers Initiative

Meryl Streep é fundadora da Female Filmakers Initiative, um incentivo à mulheres roteiristas com mais de 40 anos que, segundo ela, “teve tantas inscrições este ano que vai se repetir no próximo, no outro e no seguinte…” Dona de três Oscar, a atriz marca presença no filme de forma incontestável (mesmo aparecendo em somente uma cena) – assim como assume a liderança na coletiva de imprensa do filme no London Film Festival, que parece se transformar a cada segundo numa conferência feminista. Meryl tira e põe os óculos, sóbria e enfática como a própria Emmeline, que usava táticas aprendidas com os russos, como greve de fome na prisão, e fala messianicamente.

Em As Sufragistas, a ideia foi mostrar como o “baixo clero” do movimento fez e aconteceu. “Sabemos que a história é contada pelas classes dominantes. Por isso há tão pouco registro sob o movimento sufragista feminino”, diz a diretora Sarah Gavron. Emmeline se encaixa nessa casta. Vinda de uma família de políticos, que a apresentou a causa do sufrágio feminino aos 14, e tendo estudado em Paris), ela fica em quinto plano em As Sufragistas. “Quisemos contar a história da militância por meio de uma lavadeira (Maud, vivida por Carey Mulligan], uma mulher que poderia ser qualquer uma de nós”, reforça Meryl.

Rebelde a escrava

     “Acho que a frase ‘Deeds Not Words’ (“fatos não palavras”), usada por Pankhurst, diz muito sobre o movimento”, observa Meryl, que foi alvo de severas críticas nas redes sociais por usar uma camiseta com outra frase, atribuída sua personagem, ‘I’d rather be a rebel than a slave (“prefiro ser uma rebelde que uma escrava”), considerada racista. Questionada sobre o que achou da repercussão, ela disse esperar que o “negativismo” não contamine a discussão sobre a (ausência de) igualdade entre gêneros, “apesar de a questão racial ser igualmente importante”, e que seus atos como pessoa “podem falar por si mesmos”.

    De cantora de rock em Ricki and the Flash – De Volta para Casa a ativista pelo direito ao voto das mulheres em As Sufragistas, Meryl Streep estrela no ano que vem Florence Foster Jenkins, novo filme de Stephen Frears sobre uma herdeira nova-iorquina que, apesar da voz medonha, sonha em tornar-se cantora de ópera.

Leia mais sobre As Sufragistas aqui, sobre Ricki and the Flash aqui e sobre o tom feminista que dominou o London Film Festival aqui.

Veja o vídeo com Meryl Streep passando pelo Tapete Vermelho no 59o. BFI London Film Festival no Instagram da brpress.