Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

João Gilberto toca no  Festival de Águas Claras. Foto: DivulgaçãoJoão Gilberto toca no Festival de Águas Claras. Foto: Divulgação

Iacanga: Woodstock à brasileira

(Rio de Janeiro, brpress) - Documentário O Barato de Iacanga resgata Festival de Águas Claras nos 50 anos de Woodstock e mostra como era ser hippie no Brasil da ditadura.

(Rio de Janeiro, brpress) – Aos 50 anos do festival de Woodstock, o Sem Censura recebe nesta quinta (15/08), às 17h, na TV Brasil, o diretor Thiago Mattar, para falar do documentário O Barato de Iacanga, que também abre o festival Flower Power, às 19h, na Escola de Cinema Darcy Ribeiro, no Rio. O filme, vencedor do In-Edit 2019, é sobre o Festival de Águas Claras, que aconteceu nos anos 70 e 80, no interior de São Paulo, inspirado pelo histórico evento hippie.  

Com imagens raras de shows de nomes como João Gilberto, Gonzaguinha, Gilberto Gil, Os Mutantes, Raul Seixas, Hermeto Pascoal e Alceu Valença, aliadas a uma narrativa envolvente, o documentário recupera a história de Águas Claras, até então desconhecida do grande público. 

Ditadura e garimpo

Foram quatro edições do Festival de Águas Claras: entre 1975 e 1984, atraindo até 80 mil jovens no espírito paz e amor à Iacanga, a 375 km da cidade de São Paulo, enfrentando a censura da ditadura militar por conta dos artistas e da liberdade que a juventude pregava.

O cineasta passou dez anos garimpando imagens e entrevistando pessoas que testemunharam Iacanga, buscando descortinar a história do festival criado por Antonio Cecchinn Jr., o Leivinha.

Assista ao trailer de O Barato de Iacanga: