Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

FOTO - Neste verãoFOTO – Neste verão

Troféu abacaxi

(brpress) - Comer abacaxi traz vários benefícios para sua saúde e a casca dá um ótimo refresco, em que não precisa adicionar açúcar. Por Duilio Ferronato.

Duilio Ferronato*/Especial para brpress

(brpress) – Comer abacaxi traz vários benefícios para sua saúde. Um deles é a grande quantidade de vitaminas A, B1, B2, B3, C que a fruta concentra, e outro é a enzima bromelina, que ajuda na digestão das carnes.

O abacaxi é uma fruta que dá para aproveitar tudo. A coroa pode ser plantada em um vaso, muitas vezes brota e surge em seis meses uma nova fruta. Eu nunca consegui, mas minha vizinha já conseguiu e até me chamou para comer. Era um abacaxi menor do que a fruta mãe, mas muito doce.

É casca!

Com a casca pode ser feito um refresco em que não precisa adicionar açúcar, se você deixar uns pedaços da polpa na hora de descascar.

Colocando um pequeno pedaço de gengibre também vai dar um certo frescor – e um toque de aluá, bebida fermentada típica do nordeste, que é esse refresco não fervido (somente fica de um a dois dias de molho), na qual se acrescenta também cravo-da-índia.

Se precisar adoçar, prefira o mel. No aluá, há quem inclua açúcar mascavo – a popular rapadura – nas receitas.

Ao fogo

Voltando ao nosso refresco, é só ferver a casca de um abacaxi em 2 litros de água. Deixar esfriar, coar e colocar na geladeira.

As vitaminas perdem seu valor nutricional toda vez que você ferve. Isso serve para os legumes ou as frutas. Então, o refresco terá menos nutrientes do que a polpa, mas tente coar com uma peneira grossa para deixar passar algumas fibras, que irão fazer você se sentir muito bem.

Substituir o açúcar industrializado por uma fruta todo mundo sabe que faz bem, mas parece que isso ainda vai demorar um pouco para virar mania nacional, já que nossas avós faziam aqueles doces inesquecíveis e viciantes.

(*) Chef, arquiteto e jornalista, Duilio Ferronato assina essa coluna e dá dicas em outras seções de gastronomia. Fale com ele pelo [email protected] , pelo Twitter @brpress ou Facebook.