Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Antonio Bivar: o Punk continua existindo em todos os lugares. Foto: Reformatório/aosquatroventos.weebly.comAntonio Bivar: o Punk continua existindo em todos os lugares. Foto: Reformatório/aosquatroventos.weebly.com

Punk com ‘P’ de paulistano

(São Paulo, brpress) - Autor do seminal O Que É Punk faz um paralelo entre Londres e São Paulo, durante os anos intensos do movimento, que fez 40 anos em 2016. Por Juliana Resende.

(São Paulo, brpress) – Antonio Bivar é um dos poucos intelectuais brasileiros que viveu – e abrasileirou  – o punk, movimento originário da Inglaterra que ganhou o mundo nos anos 70 e fez 40 primaveras em 2016. Autor do seminal O Que É Punk (Editora Brasiliense, 1982, Coleção Primeiros Passos), o diretor teatral, escritor e dramaturgo, de 77 anos, vive agora a maturidade do Punk – assim, com P maiúsculo, como ele mesmo escreve, P de paulistano. 

Bivar foi o organizador do festival O Começo do Fim do Mundo, no Sesc Pompéia, nos anos 80, que marcou o punk de São Paulo. Sim, Bob Cuspe, o caricato punk de Angeli, não nasceu à toa. Foi inspirado numa cena underground pela qual a Paulicéia Desvairada  ainda leva fama. Para Bivar, o punk não morreu – amadureceu. 

Só as ‘preparadas’

“Em 1981, passei o ano em Londres e acompanhei o ressurgimento punk com o ‘PUNK IS NOT DEAD’. As bandas, na maioria não exatamente novas, como Exploited, Discharge, Crass, UK Subs e outras, que não tiveram chance no boom das preparadas, como Sex Pistols, The Clash e outras, puderam desfrutar de certa notoriedade”, conta Bivar, numa entrevista exclusiva à brpress antes de embarcar para (adivinhe)… Londres! 

“Naquele ano, estive presente também em passeatas monumentais contra o desemprego etc, e conto com detalhes essa vivência no livro O Que É Punk”, lembra o escritor. De volta a São Paulo, em 1982 e alfinetado pelo punk, Bivar achou terreno fértil para fazer acontecer o primeiro festival punk brasileiro. O Começo do Fim do Mundo foi realizado nos dias 27 e 28 de novembro de 1982 – o ano mais forte do movimento punk em São Paulo.

O festival reuniu bandas como Cólera, Inocentes, Olho Seco, Ratos de Porão, entre outras, e tinha o objetivo de unir facções punks, da capital e do ABC paulista, que vinham se envolvendo em brigas cada vez mais violentas. Como o Punk.London,  evento multicultural que celebrou os 40 anos do punk em Londres durante todo 2016, o festival de São Paulo  contou com exposição de capas discos, fanzines, filmes e, claro, shows. 

Botinadas

No total, 20 bandas tocaram n’O Começo do Fim do Mundo, e o evento contou com um público de 3 mil pessoas. No primeiro dia, não houve confusão. Mas no segundo dia, teve polícia reprimindo um protesto contra a ditadura militar – que, apesar de agonizante, ainda estava em curso no Brasil. O festival foi histórico e está registrado em CD e vídeos – algumas aparecem no documentário Botinada: A Origem do Punk no Brasil, do ex-VJ da MTV Gastão Moreira, e no filme O Começo do Fim, Enfim, de Camila Miranda, lançado este ano  pelo Selo Sesc e disponível em DVD.

Com a palavra (e sem moicano), Antonio Bivar

Tendo estado em Londres e São Paulo no auge do punk, qual foi sua impressão sobre a tênue fronteira entre o genuíno e o fabricado que sempre permeou o movimento?

Antonio Bivar – Sempre tive uma visão crítica de tudo. Quanto ao Punk, os próprios punks instintivamente sabiam que não seriam notados se não produzissem um visual de acordo – de preferência, que os diferenciassem radicalmente do visual hippie da geração paz & amor anterior. E se não fosse por Malcolm McLaren [empresário dos Sex Pistols], [a estilista] Vivienne Westwood e a loja SEX, no lado pobre da King’s Road, em Londres, nada teria provavelmente acontecido. Malcolm pegou o fantástico material humano pouco mais que adolescente e fabricou os Sex Pistols. Mas os garotos eram genuínos – o que fez o “produto” ter dado certo.

Os 40 anos do punk foram comemorados este ano com o evento Punk.London, que reuniu moda, arte, música, cinema e exposições, em Londres, organizado por instituições, como a prefeitura, que odiavam o punk. É como se a PM celebrasse O Começo do Fim do Mundo. O que acha desse apoderamento do movimento pelo establishment?

AB – Os 40 anos do Punk foram altamente comemorados –– teve até exposição na British Library, atraindo visitantes do mundo inteiro (incluindo eu). Não vejo nenhum mal no fato de o  Sistema ter reconhecido a verdade histórica do movimento. 

Seria a derradeira validação do famigerado “punk de butique”? 

AB – Não podemos jamais nos esquecer de um dos fatores mais impactantes do movimento punk, que foi e continua sendo o visual. Hoje, no visual street fashion tem mais gente com cara de punk do que no começo do movimento, quando SP não tinha mais que 400 punks. Hoje metade da população tem o visual punk, nas cores cítricas dos cabelos, nos piercings, nas tatuagens, nos moicanos nas cabeças dos rapazes, inclusive em jogadores de futebol – Neymar usou e abusou do moicano de salão de beleza. Na Inglaterra, David Beckham já tinha feito isso. Capas de revistas de moda propagam o punk como estilo, o famoso punk de butique.

Qual é o maior legado punk à juventude do século 21?

AB – A atitude contra o Sistema. O Punk tornou-se uma irmandade mundial, universal. É claro que o circuito punk é underground, mas acontece brilhantemente com a internet. 

Num mundo cada vez mais automatizado, previsível e compartimentado ainda há espaço para a atitude-mor do punk DIY (“do it yourself”, faça você mesmo)?

AB – Sem dúvida há espaço e muita gente, não só punks, estão “doing it themselves”. Nas artes, no empreendedorismo, na literatura há gente partindo para esse tipo de ação. Trata-se de uma atitude “autogestiva” – de autogestão. A crise gerada pelos recentes turbilhões e tsunamis políticos, a descrença geral nos políticos, etc, torna a terra fértil para que essa atitude floresça novamente.

Você escreve em O Que É Punk que, no Brasil, o punk teve um viés mais social, e “dos punks eleitores, todos fechavam com o PT (menos um ou dois janistas)”. Era 1982. Acha que ainda hoje, diante dos fatos envolvendo o Partido do Trabalhadores, os punks ainda apoiariam, majoritariamente, Lula e cia? Por quê?

AB – Em 1982 a maioria dos punks paulistanos se acreditavam anarquistas e antipolítica. Alguns fechavam com o PT, mas não todos. Hoje, continuo em contato com muitos punks de São Paulo e do ABC e a maioria DETESTA o PT e os corruptos em geral, sejam de que partido forem. Suas manifestações nas redes sociais, especialmente no Facebook, têm sido ferozes. E acontecem até brigas de punks com os que ainda são pela cesta básica petista. É interessante constatar que, como sempre, são muito bem articulados e firmes em suas posições. O punk paulistano vem basicamente do proletariado e da classe média baixa periférica, além de apaixonados de outras classes (Supla é um exemplo) e me fazem pensar no movimento anarquista paulistano das décadas de 1910/20.

A cena punk paulistana passou batida nos 40 anos do movimento? 

AB – A cena de São Paulo não pode ser comparada ao levante punk como aconteceu em Londres 1976/77, e depois em 80/81. Em 2012, o Sesc Pompeia abriu espaço para a celebração dos 30 anos do festival O Começo do Fim do Mundo e, do evento, foi realizado o documentário O Fim do Mundo, Enfim, que estreou no CineSesc, em fevereiro de 2016, também com o lançamento do DVD, e com a presença maciça de punks de várias gerações.

Há algum plano de reeditar O Que É Punk  (esgotado), por conta do 40o. aniversário, ou mesmo outro livro seu sobre o movimento?

AB – Plano não há de reeditar O Que É Punk, mas já fui consultado recentemente por duas editoras interessadas na reedição. Ainda não tive tempo de tratar do assunto, mas acho que o livro merece reedição por ter sido um dos primeiros no mundo a tratar do tema, e isso graças à Editora Brasiliense, que na época tinha Luís Schwarcz como editor e o sucesso da coleção Primeiros Passos, da qual o livro fez parte.

Acha que podemos esperar algum tipo de levante punk à sombra do Brexit?

AB – Acredito que ainda possa acontecer algum levante punk na Inglaterra. O Punk continua existindo em todos os lugares – inclusive em São Paulo. 

(Juliana Resende/brpress)

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.