Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Problemas no coração matam 17Problemas no coração matam 17

Campanha no trabalho

(brpress) – Federação Mundial do Coração lança campanha para promover hábitos saudáveis e prevenir doenças cardiovasculares, que matam 17,5 milhões por ano.

(brpress) – Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as doenças cardiovasculares matam 17,5 milhões de pessoas por ano no mundo, mais que qualquer outra enfermidade. Para promover hábitos mais saudáveis no ambiente de trabalho e alertar para a importância de se fazer atividades físicas, a Federação Mundial do Coração realiza a campanha Trabalhe Com o Coração com eventos em mais de cem países.

    Os fatores de risco para problemas no coração, que tem seu dia mundial comemorado neste domingo (26/09), são pressão arterial alta, colesterol elevado, diabetes, tabagismo, obesidade e sedentarismo. Porém, outros fatores estão ligados a problemas no órgão, como o sono.

Dormir na medida

    Uma pesquisa da Faculdade de Medicina da Universidade do Oeste da Virgínia (EUA) indicou que dormir pouco aumenta em mais de duas vezes o risco de doenças cardiovasculares. O estudo, feito com 30.397 adultos, mostrou que a duração anormal do sono prejudica a saúde cardiovascular e perturbações no sono podem ser um fator de risco para doenças cardiovasculares.

    Foram comparados grupos com sete horas de sono, a quantidade recomendada, com pessoas que dormiram cinco horas ou menos e nove horas ou mais. Os que passaram menos tempo dormindo tiveram 2,2 vezes mais chances de desenvolver doenças como infarto agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral.

    Já os que passaram das 9 horas apresentaram 1,6 vezes mais risco de desenvolver doenças cardiovasculares. A associação entre cinco horas ou menos de sono por dia com doenças cardiovasculares foi maior entre mulheres e entre adultos com menos de 60 anos.