Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Trump é punk?

(Londres, brpress) - Agora, essa pode ser uma das perguntas que não querem calar e que o festival Punk London tenta responder nos 40 anos do movimento. Por Juliana Resende.
Esta pode ser uma pergunta que não quer calar e que o festival Punk London tenta responder nos 40 anos do movimento. Por Juliana Resende.

(Londres, brpress) – O ano em que estão sendo comemorados os 40 anos do movimento punk parece longe de terminar – pelo menos em Londres, onde comemorações e subversões seguem a mil, concentradas no festival Punk London. E novembro é um mês quente, apesar do outono londrino e de muita água já ter passado por debaixo das pontes do Tâmisa.

O calendário é extenso, misturando música, cinema, exposições, festas, happenings e até uma queima de memorabilia punk – promovida por Joe Corré – o filho pródigo do casal 20 do punk, a estilista Vivienne Westwood e o empresário dos Sex Pistols, Malcolm McLaren (leia a entrevista concedida por ele à brpress no UOL). 

DIY

Corré estará entre um time punkster de notáveis, incluindo a modelo Jordan e o ex-manager dos Buzzcocks, Richard Boon, no Museu de Londres, instituição das mais ativas no Punk London, que recebeu,  catalogou e expôs doações públicas, entre objetos e indumentária icônicos da era de ouro do DIY, ou “do it yourself” (“faça você mesmo”) – uma filosofia de vida muito dominante no século 21, e ainda mais sob os sombrios ventos do Brexit.

Seria a saída do Reino Unido da União Européia um ato punk? Deve o legado punk ser, afinal, celebrado ou incinerado? Quarentão, estaria o punk em plena crise de meia idade? Se o movimento começasse agora, como seria? O que o punk significa hoje? Donald Trump é punk?

No future

O fato é que, para quem não tinha nenhum futuro, o punk foi longe demais e segue influenciando bandas, políticos, comportamentos, modas, artes e se infiltrando em cada fresta da cultura urbana global contemporânea.

Por isso, as celebrações transcendem os três acordes de hinos como Anarchy in the UK e God Save the Queen (o segundo voltou recentemente à BBC, que tocou a versão dos Pistols para sacanear um parlamentar que pediu a volta da execução do hino nacional homônimo britânico a cada final de programação).

Foi uma resposta bem punk ao clamor de Andrew Rosindell: “O costume está na hora de ser restaurado, para enviar uma mensagem de que a Inglaterra está de volta, após a votação do Brexit, em tributo à Sua Majestade”, argumentou o político. Bollocks!

Espírito de punk

O Punk London abrange toda a simbologia e o arquétipo de um fenômeno que desafiou o status quo nos anos 70 e provocou indignação, além de muita atitude. Do moicano ao coturno, passando pelas tachas, correntes e cusparadas, o espírito punk ainda assombra o establishment e, mesmo sem ter nenhuma pretensão de mudar o mundo, mudou.

O bas-fond punk pode ser conferido no festival de documentários Doc n’ Roll, trazendo estreias mundiais como Sad Vacation: Last Days of Sid & Nancy (assista ao trailer abaixo).

É possível rever cenas e personagens emblemáticos do punk nas fotos de Adrian Boost reunidas na expô 40 Years of Punk, na galeria Proud Camden – berço do movimento em Londres que se apropriou tão bem dessa rebeldia que virou atração turística permanente.

(Juliana Resende/brpress)

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.

Comentários