Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Paulo Markun retorna a campo: testemunha ocular da Diretas Já. Foto: TV CulturaPaulo Markun retorna a campo: testemunha ocular da Diretas Já. Foto: TV Cultura

Diretas Já explica luta pela democracia no Brasil

Série documental de Paulo Markun cai como uma luva no momento político atual – especialmente aos que pedem “intervenção militar”

(brpress) – A série documental inédita Diretas Já, que a TV Cultura exibe a partir de sábado (14/01), às 22h30, cai como uma luva no momento político atual – especialmente aos que pedem “intervenção militar” e outros atentados ao estado democrático de direito conquistado a duras penas, a cada santo dia, desde o fim da ditadura, enfraquecida pelo movimento por eleições diretas que dá nome à produção.  

Em seis episódios de 52 minutos, Diretas Já compõe um amplo painel da luta pela democracia no Brasil, desde o golpe de 1964 até a posse de José Sarney, em 1985, antes de rememorar e contextualizar um dos momentos mais importantes da história recente do país. 

Testemunha ocular 

É mais um trabalho com direção e apresentação do jornalista Paulo Markun – como o documentário Doping, lançado antes da Olimpíada do Rio, em 2016.              

Só que este projeto foi iniciado em 1987, já que Markun participou ativamente da campanha das Diretas Já, como jornalista e militante.  No entanto, os 143 depoimentos exclusivos de personalidades, lideranças e cidadãos foram captados entre 2014 e 2017.

A produção foi finalizada em 2018, mas entraves burocráticos retardaram sua exibição. Agora, ela acontece numa TV pública e aberta, “o que torna ainda mais democrático o acesso a esse importante acervo”, ressalta Markun. 

A partir dos depoimentos e de uma vasta coleção de imagens atuais e de época, Markun revisita a mobilização dos brasileiros que saíram às ruas de norte a sul do Brasil, exigindo democracia.  

Comício das Diretas Já na Praça da Sé, em São Paulo.
Foto: TV Cultura
Longo caminho

“A série passa pelo movimento estudantil, pela Frente Ampla, a resistência do MDB, o AI-5, a anistia, as greves operárias, o fim da censura, eleições diretas para governador e desemboca no engajamento da sociedade civil em torno da emenda Dante de Oliveira e da derrota no parlamento, que levaria à eleição indireta de Tancredo Neves, à posse de José Sarney”, enumera o jornalista.  

Ao revisitar os bastidores da cena política daquele momento e dos anos de chumbo que a antecederam, Diretas Já propõe uma ponte entre os fatos que compuseram este cenário e os seus reflexos na sociedade brasileira atual.  Nesse sentido, a série serve não apenas para recontar a história brasileira, mas para educar brasileiros que não conhecem a árdua trajetória de seu país rumo à democracia que hoje desfrutam.  

Ultraje a Rigor 

Sem querer dar spoiler, o primeiro episódio começa com música, maestro!

No baile das Diretas, que levou bandas de rock para o palco de uma danceteria em São Paulo, no dia 31 de março de 1984, um novo grupo se apresentou: Ultraje a Rigor, tocando Inútil.  A canção virou um hino político para uma geração que ainda não se entendia por gente quando o brado retumbante da ditadura militar era samba de uma nota só, mas se engajou  na campanha para virar – de vez – o disco.

#brpressconteudo #diretasja #democracia #paulomarkun

Comentários

Publicar Comentário