Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Débora Garofalo e seus alunos da escola EMEF Almirante Ary ParreirasDébora Garofalo e seus alunos da escola EMEF Almirante Ary Parreiras

Professora brasileira concorre ao Teacher Prize 2019

(brpress*) - Prêmio de US$ 1 milhão é considerado o ‘Nobel’ da área e Débora Garofalo, de escola pública de SP, está entre 10 finalistas de todo o mundo, graças à inovação.

(brpress*) – Enfim, uma boa notícia sobre educação: a professora brasileira Débora Garofalo, de 39 anos, que, por opção, sempre lecionou em escolas públicas, está entre os 10 melhores professores do mundo. Garofalo é finalista do Global Teacher Prize 2019, o prêmio internacional mais prestigiado da área, considerado o Nobel da Educação. 

Professora de tecnologias da escola EMEF Almirante Ary Parreiras, em São Paulo (SP), Garofalo ensina alunos de 6 e 14 anos a transformar lixo em soluções para problemas da comunidade. 

“Fizemos um carrinho movido a balão de ar. Esse carrinho virou febre e, no dia seguinte, tinha criança do lado de fora me esperando com materiais recicláveis querendo fazer o carrinho”, disse Garofalo à BBC News Brasil. 

Garrafas pet, vidro, restos de fiação viram filtro de água, semáforo, máquina de sorvete, e até tecnologia de energia renovável para substituir o gato elétrico em casas da favela.

Robótica com Sucata

Assim nasceu o projeto Robótica com Sucata – que virou referência no Brasil e ganhou a atenção do mundo. Em quatro anos, mais de 700 kg de lixo foram retirados das ruas pelos estudantes; o resultado da EMEF Almirante Ary Parreiras no Índice de Desenvolvimento de Educação Básica (Ideb), que mede a qualidade do ensino, subiu de 4.2 para 5.2; e alguns alunos de Garofalo já decidiram que querem ser físicos, engenheiros ou programadores.

Com o US$ 1 milhão recebido no prêmio, que é considerado o “Nobel da educação”, a brasileira pretende construir laboratórios de robótica em escolas públicas do país. “E se eu não ganhar, já fica a lição de que é possível fazer grandes coisas com poucos recursos e que precisamos aprender a inovar”, afirma Débora Garofalo.

Ela concorre com professores da Grã-Bretanha, Holanda, Austrália, Geórgia, Índia, Japão, Argentina, Quênia e EUA. O ganhador será anunciado no dia 24 de março.

(*) Com informações da BBC Brasil.