Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Obra da jamaicana Ebony G. PattersonObra da jamaicana Ebony G. Patterson

Bienal: um jardim para brincar e refletir

(São Paulo, brpress) - 32a. Bienal de São Paulo parece um parque dentro do parque e tem cara de feira de ciências, onde crianças são as que mais interagem com as obras.

(São Paulo, brpress) – Jardim da infância. Assim a 32a. Bienal de São Paulo pode ser definida. E nada há de pejorativo nisso. A maior exposição de arte contemporânea da América Latina foi concebida como um grande jardim com envolvimento de professores, estudantes, artistas, ativistas, lideranças indígenas, cientistas e pensadores dentro e fora do Brasil. Mas quem parece interagir – e se divertir – com a mostra são as crianças. Há um quê de parque de diversões na montagem.  

São 340 trabalhos de 81 artistas, mesclando plantas, objetos com formas orgânicas, obras e instalações coloridas (destaque para sala da jamaicana Ebony G. Patterson) e até aquelas que dá para entrar dentro e explorar cada ângulo. A Bienal é para brincar. Seja brincando com tema sério – Incerteza Viva –, seja brincando despretenciosamente, a exposição foi feita para ser habitada. Sem cerimônias, nem formalidades, sem o distanciamento diante da arte que quase todo adulto insiste em ter, são as crianças que mais aproveitam esta Bienal.

Meio ambiente

Este ano, a exposição está mais casual e descontraída que nos outros e tem na questão do meio ambiente e sua preservação a mola mestra das obras que, em sua maioria, privilegiam a experimentação. A Bienal está com cara de uma grande feira de ciências pós-moderna e pós-industrial. Diversas obras abordam diretamente a natureza e os processos biológicos, botânicos ou alquímicos: o laboratório de cogumelos criado por Nomeda e Gedeminas Urbonas; os desenhos, filmes e colagens desenvolvidos por Carolina Caycedo a partir de uma pesquisa sobre barragens e hidrelétricas, ou a instalação com projeções e experimentos fisico-químicos de Susan Jacobs

Na selva urbana quase sempre tão hostil aos seres vivos – principalmente às plantas, aos animais e às crianças – a Bienal funciona como um parque temático, um paraíso artificial dentro de um parque que é o pulmão da megalópole (Ibiraquera e São Paulo, respectivamente). A urgência da preservação e renovação ambiental, incluindo a valorização da sustentabilidade e da sabedoria indígena – um tema caro às futuras gerações – está por toda parte nesta Bienal, com ou sem didatismo. Até o restaurante da mostra propõe uma alimentação vegana – outra tendência que vem de encontro às novas gerações.

A Bienal é um grito contínuo pela saúde do planeta, das cidades. E é nesse jardim que as crianças encontram terreno fértil para brincadeiras, enquanto os jovens – que talvez estejam visitando a exposição pela primeira vez – podem refletir sobre o mundo que querem habitar, por meio da arte e de atividades paralelas, como palestras e performances (ver programação no site do evento), enquanto admiram esculturas como as de Frans Krajcberg, feitas de troncos de coqueiros e manguezais, que articulam toda a entrada da exposição no piso térreo. 

Veja mais fotos da 32a. Bienal de São Paulo aqui.

32a. Bienal de São Paulo – Av. Pedro Álvares Cabral, s.n., Parque Ibirapuera, Portão 3 T: (11) 5576 7600

Visitação: Ter, qua, sex, dom, feriados: 9h-19h (entrada até 18h); qui, sáb: 9h-22h (entrada até 21h). Fechado às segundas. Até 11 de dezembro de 2016. Entrada franca.