Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Debate mais ampliado

(Johanesburgo, brpress) – Não é possível ficar apenas na definição do nome do novo técnico. Há necessidade de se elaborar um longo programa visando a Copa de 2014 e Olimpíadas. Por Márcio Bernardes.

(Johanesburgo, brpress) – Poderíamos expandir a discussão sobre o futuro da seleção brasileira. Não é possível ficar apenas na definição do nome do novo técnico. Há necessidade de se elaborar um longo programa visando a Copa de 2014 e as duas próximas Olimpíadas.

Ninguém quer uma reformulação geral e indiscriminada, mesmo porque, para isso, há necessidade de se mesclar os jovens com os mais experientes. Temos uma boa geração que precisa ser preparada. E não podemos esquecer que, no ano que vem, tem pré-olímpico. E não perderemos de vista a Olimpíada de 2016 e até a Copa de 2018.

O planejamento deve ser sério e pouco político. Se bem que há muito conchavo nessa hora e em tudo quando o assunto é CBF. 

O Brasil não precisará disputar os jogos eliminatórios para a Copa de 2014. Se não marcarem partidas amistosas com boas equipes e dentro de uma frequência considerável, poderemos sucumbir.

Os jogos e treinos são necessários durante alguns anos. Principalmente quando se fala em renovação. Mas um bom planejamento de longo prazo é imprescindível.

BASTIDORES

Fúria 

A vitória da Espanha foi justa. Conseguiu segurar o bom toque de bola da Alemanha e dominou o jogo todo com categoria. Já se prevê uma final eletrizante, com ótimo nível. Holanda e Espanha jogam no estilo sul-americano, que, pelo jeito, foi esquecido por Dunga. Sinal de que se pode ter objetivos. Mas sem perder a categoria jamais.

2014 

Gilberto Kassab visitou o IBC. E aproveitou para declarar que a abertura da Copa de 2014 não será em São Paulo. O fato vai provocar reações. É inadmissível relegar o maior estado do país a meros jogos de um Mundial. É como comparar São Paulo com Natal, Cuiabá e as demais sedes. Sem nenhum desprezo por essas cidades. Isso vai dar pano pra manga.

Lula lá

É impressionante a popularidade do presidente Lula entre os africanos. Sua vida e história são conhecidas, comentadas e reverenciadas. O presidente brasileiro sabe surfar nas ondas que favorecem seu prestígio. E não esconde a segurança daqueles que estão por cima.

Zuma aqui 

Popularidade em alta também tem o presidente sul-africano, Jacob Zuma. Ele administra conversando com o povo e sabendo de perto as suas necessidades. E que não são poucas. Na abertura da Copa, deu para perceber a forma como ele foi recebido pela galera no Soccer City.

Parabéns

Nelson Mandela vai comemorar 92 anos no dia 18 de julho. A grande imprensa que cobre a Copa já não estará mais no país. Mas a data será relembrada nos quatros cantos do mundo e muito celebrada aqui na África do Sul. Debilitado e com pouquíssima saúde, o grande líder vive escondido e poupado de turistas e curiosos.

2014 II

A Fifa distribuiu convite para o evento desta quinta-feira (08/07), no Soccer City. A Copa de 2014 passa a ser o assunto da hora. Ricardo Teixeira e Jerome Valcke concederão entrevistas, ao lado de Romário e Carlos Alberto Parreira. Já se especula a razão de Pelé não estar presente. Vai ter fofoca, muita fofoca. Quem viver verá! 

TOQUE FINAL

Soweto lembra nossas favelas

Visitei Soweto. A história do bairro é tenebrosa. E emocionante. Durante o Apartheid, os negros eram confinados àquela área e de lá só poderiam sair com salvo-conduto para trabalhar em Johanesburgo.

A polícia branca era rigorosa e radical. Transporte sempre foi precário e condição mínima de vida quase nenhuma. 

A educação para crianças e jovens era oferecida informalmente por gente que tinha algum tipo de formação cultural. Hospitais, centros sociais e outras conquistas de qualquer povo inexistiam.

Igrejas camufladas eram construídas. Os locais serviam para encontros dos insurgentes. A polícia, cada vez mais violenta, reprimia encontros de duas ou três pessoas em uma esquina.

A aparência do Soweto é igual à de nossas favelas. E o povo daqui sofria mais com o frio que todo ano chega a zero grau ou menos do que isso.

A casa onde viveu Nelson e Winnie Mandela é um museu e também serve para muitas reflexões. O museu em homenagem ao jovem Hector Peterson é um marco para aqueles que morreram por uma causa. Nobre causa!

Reconhece-se muitos avanços. Ruas e Avenidas foram pavimentadas, casas, hospitais e escolas foram construídos.

Falta muita coisa, mas muita mesmo! Uma coisa, porém, move o ser humano: os negros do Soweto não perderam a esperança.

(*) Márcio Bernardes é âncora da Rede Transamérica de Rádio, professor universitário e colunista da brpress. Fale com ele pelo e-mail [email protected]  ou pelo Blog do Leitor.

Márcio Bernardes

Comentarista veterano de esportes, com diversas Copas e Olimpíadas no currículo, Márcio Bernardes é âncora da Rede Transamérica de Rádio e sua coluna foi licenciada pela brpress ao Yahoo Brasil.

Comentários

Publicar Comentário