Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Legítimo campeão

(São Paulo, brpress) - Objetivo principal do Corinthians era a Libertadores, mas Paulistão não foi deixado de lado. Mais: Rodrigo Braghetto e feverção no Tricolor. Por Márcio Bernardes.

Márcio Bernardes*/Especial para brpress

(São Paulo, brpress) – O Corinthians dividiu suas atenções neste primeiro semestre. Claro que o objetivo principal era a conquista da Libertadores. Mas, em nenhum momento, o Paulistão, com seu regulamento esdrúxulo, foi deixado de lado.

   A comissão técnica sabia que fatalmente o clube alcançaria a classificação para as fases decisivas. Tanto que ficou com o modesto quinto lugar entre os oito melhores. E em desvantagem para a Ponte Preta, na hora que precisou goleou o adversário em Campinas, depois venceu o São Paulo nos pênaltis e foi superior ao Santos nos dois jogos decisivos.

  Pela 27ª vez o título paulista vai para o Parque São Jorge. Merecidamente!

Decisão digna

   Rodrigo Braghetto foi sorteado para apitar a decisão do Paulistão. Divulgou-se que ele estava sob suspeita, pois era dono de uma empresa que prestava serviços para o Corinthians.

   O caso poderia preocupar se a empresa de Braghetto servisse apenas ao Corinthians. Mas centenas de clubes, inclusive Palmeiras e São Paulo, são seus clientes.

   Para não levantar suspeitas e também em meio ao terremoto da arbitragem de Carlos Amarilla na quarta-feira, Rodrigo Braghetto fez o que deveria ser feito: pediu para não trabalhar na Vila Belmiro. Mostrou também, com transparência, que não havia nenhum conflito de interesses. Mas por precaução, pulou do barco.

   Essa é mais uma razão para a reflexão dos cartolas de que a arbitragem precisa ser profissionalizada. Chega a ser incompreensível a resistência dos dirigentes.

Ferveção

   Os bastidores do São Paulo estão quentes. A humilhante desclassificação na Libertadores e o longevo mandato de Juvenal Juvêncio movimentam conselheiros e associados influentes.

   Como se sabe, o presidente são-paulino está em seu terceiro mandato mediante uma liminar judicial, que pode ser cassada a qualquer momento.

   O problema é que a oposição no São Paulo é muito incompetente e não tem nomes de peso para pleitear o lugar de Juvenal. O presidente poderia sair por cima, mas insiste em ficar no trono como se fosse o Rei da Babilônia.

   Comenta-se que o médico Marco Aurélio Cunha pode ser o candidato contra a atual gestão, o que o vereador paulistano nega neste momento.

  Enquanto isso, a torcida fica impotente e acompanha os desdobramentos de um comando superado e má administração. Há problemas em todos os setores do CT da Lapa.

Márcio Bernardes

Comentarista veterano de esportes, com diversas Copas e Olimpíadas no currículo, Márcio Bernardes é âncora da Rede Transamérica de Rádio e sua coluna foi licenciada pela brpress ao Yahoo Brasil.

Cadastre-se para comentar e ganhe 6 dias de acesso grátis!
CADASTRAR

Comente agora