Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

O cupcake vira moda no Brasil eO cupcake vira moda no Brasil e

O cupcake é pop

(São Paulo, brpress) - Charmosos e irresistíveis, os "bolinhos de xícara" viraram moda no Brasil. Lucianno Maza conta sua história e dá dicas de onde saboreá-los.

(São Paulo, brpress) – Charmosos e irresistíveis, os cupcakes – bolinhos decorados, com se fossem os primos ricos dos simplezinhos e massudos muffins – viraram moda no Brasil. O país, que adora um estrangeirismo, está caindo de boca – pelo menos os chiques e endinheirados. 

 Consumidor das novidades em confeitaria, foi o mercado de casamento um dos primeiros a apostar no cupcake no Brasil. Seja como complemento ou mesmo substituindo o bolo, que virou um elemento quase cenográfico, o cupcake logo passou a encabeçar a lista de guloseimas pedidas pelas noivas modernas que vêem no bolinho uma forma de aliar a imagem romântica com algo antenado.

Mulheres

 Jovens meninas encantadas com a delicadeza do doce e com predisposição para formar uma espécie de fã-clube de cupcakes na internet, assim como mulheres maduras solteiras e estilosas como Carrie Bradshaw, ajudaram a popularizar os cupcakes por aqui e criaram uma demanda por consumi-los fora dos buffets de casamento.

 Começou então uma onda de cupcakes, principalmente na web, onde trocas de informações, receitas e fotos aguçou a criatividade e talento de muita gente do ramo dos doces. Esse confeiteiros passaram a se especializar nos bolinhos e formar um mercado que, até pouco tempo, era praticamente todo instalado na internet com lojas virtuais e pedidos sob encomenda.

História 

 Datam do final do século 18, os primeiros registros de bolos assados dentro de xícaras no Estados Unidos.Mas o cupcake tal qual conhecemos hoje se popularizou definitivamente nos anos 1950. Atualmente assados em forminhas de papel ou de alumínio, o diâmetro se mantêm próximo ao de uma xícara de chá. 

 O nome lúdico que recebeu na Inglaterra, “fairy cake” (bolo de fadas), também se refere a seu tamanho. Foi na segunda metade dos anos 1990, em Nova York, que os cupcakes voltaram com força total com a Magnolia Bakery, loja de doces hoje famosa no mundo todo por seus bolinhos.

Na TV e no cinema

 Os caçadores de tendências notaram esse movimento e a consagração do cupcake como objeto de desejo de antenados aconteceu quando Carrie Bradshaw –personagem-ícone de Sarah Jessica Parker, no seriado Sex and The City – demonstrou seu amor pelo doce, sempre da Magnolia Bakery, então consagrada como uma verdadeira grife de cupcakes. A famosa loja novaiorquina apareceria ainda no filme O Diabo Veste Prada. Estava lançada a moda.

 Na atual temporada, a televisão americana estreou dois programas do tipo reality show com o cupcake como tema: DC Cupcakes, sobre uma pequena loja em Washington, e Cupcake Wars onde cake-designers – como são chamados os especialistas em decorar bolos – disputam um prêmio de US$10 mil pelo cupcake mais bonito.

Onde comer

Os melhores cupcakes do Brasil estão em São Paulo. Hoje, entre as grandes marcas da capital paulista destacam-se a Cupcakeria (www.cupcakeria.com.br), com seus cupcakes robustos e deliciosamente recheados em 30 versões que são oferecidas em sistema rotativo no quiosque do Shopping Pátio Paulista, e a Vintage Cupcakes (www.vintagecupcakes.com.br), com suas saborosas coberturas de encher os olhos. 

 A Vintage Cupcakes é pioneira no sistema de franquias e já opera em Brasília, Goiânia e Rio de Janeiro, além de São Paulo, onde acaba de abrir um quiosque no Shopping Eldorado.  

 As marcas pessoais, como a de Luana Davidson (www.cupcakesdaluana.com.br) e a de Maria Pia (www.mariapiabolos.com.br), garantem cupcakes de massas leves e coberturas delicadas, assim como a Doce Chique (www.docechic.com.br), que apresenta seus sabores em três tamanhos. Já a Love Cupcakes (www.lovecupcakes.com.br) diz tudo só no nome. 

(Lucianno Maza/Especial para brpress)