Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

As Sufragistas: figurino do filme explora as cores roxo e branco usadas pelo movimento. Foto: DivulgaçãoAs Sufragistas: figurino do filme explora as cores roxo e branco usadas pelo movimento. Foto: Divulgação

Feminismo continua em alta em 2016

(brpress) - Na esteira do sucesso do filme As Sufragistas, o Geena Davis Institute on Gender in Media e o Women in Film and Television (WFTV) trazem simpósio ao Brasil.

(brpress) – O tema feminismo e igualdade entre gêneros – em todas as áreas, incluindo a indústria do cinema – parece continuar sendo uma tônica em 2016. Na esteira do sucesso de filmes como As Sufragistas, em cartaz nas principais capitais brasileiras, será no Brasil, este ano, o simpósio global do Geena Davis Institute on Gender in Media e do Women in Film and Television (WFTV), cujo primeiro Global Symposium on Gender in Media aconteceu no 59. BFI London Film Festival, com a presença da atriz de Thelma & Louise (1991).

    Em Londres, o simpósio global do Geena Davis Institute on Gender in Media e do Women in Film and Television (WFTV) teve abertura com o filme As Sufragistas, de Sarah Gavron, em outubro de 2015. De lá para cá, os temas femininos e feministas não saem da mídia.  Meryl Streep, embora só apareça em As Sufragistas numa única cena, colocou todo seu prestígio e carisma a serviço da causa nos eventos de divulgação do filme. A atriz é fundadora da Female Filmakers Initiative.

Efeito Meryl

    Meryl Streep, que interpreta a líder sufragista Emmeline Pankhust em As Sufragistas, estrela outro filme sobre uma mulher em 2016: Florence Foster Jenkins (Meryl Streep), uma rica herdeira que persegue obsessivamente uma carreira de cantora de ópera. Aos seus ouvidos, sua voz é linda, mas para todos os outros é absurdamente horrível. O ator St. Clair Bayfield (Hugh Grant), seu companheiro, tenta protegê-la de todas as formas da dura verdade, mas um concerto público coloca toda a farsa em risco.

    Na semana passada, o Hollywood Reporter promoveu uma mesa-redonda com seis das mais proeminentes atrizes da atualidade: Carey Mulligan (Suffragette), 30; Jennifer Lawrence (Joy), 25; Cate Blanchett (Carol, Truth), 46; Jane Fonda (Youth), 77; Brie Larson (Room), 26; Helen Mirren (Trumbo, Woman in Gold), 70; Charlotte Rampling (45 Years), 69; e Kate Winslet (Steve Jobs), 40. A brpress esteve com quatro delas durante o London Film Festival: Cate, Kate, Helen e Carey. O tema da mesa? Feminismo e igualdade de gênero na indústria do cinema. O debate foi ao ar pela Sundance TV e pode ser visto aqui.

    E o feminismo promete ser apropriado até pela moda: as cores das sufragistas no Reino Unido são roxo, branco e verde, e das companheiras nos EUA são roxo, branco e dourado. Quem deu a dica foi Jane Petrie, figurinista de As Sufragistas, em entrevista ao Los Angeles Times. “Li que elas foram o primeiro movimento social do mundo com uma identidade visual definida. Elas eram inteligentes e seguras, além de conscientes sobre o que e como se vestir”.