Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Para MiróPara Miró

Miró: ‘indie’ já naquela época

(brpress) - Gênio catalão – cuja obra é reunida na exposição A Força da Matéria, em São Paulo – nutria grande simpatia pelos surrealistas, mas permaneceu sempre independente.

(brpress) – Joan Miró – o gênio catalão cuja obra é reunida na exposição A Força da Matéria, em cartaz até agosto, no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo – nasceu em 1893, em Barcelona, na Catalunha, no final do século XIX. Ainda muito jovem, participou das vanguardas artísticas que agitaram a vida cultural espanhola no inicio do século XX.

    Desde o início, Miró praticou uma pintura de colorido intenso, com forte influência do movimento fauvista que, na França, teve como seus principais expoentes os artistas Henry Matisse e Maurice de Vlaminck.

    Uma grave doença levou-o a passar uma longa fase em Montroig. Nesse período, resolveu dedicar-se inteiramente à pintura. A vida, o trabalho no campo e a forte paisagem da região exerceram grande influência na formação de sua linguagem plástica.

Efeito Paris

    Miró viajou a Paris pela primeira vez em 1920 e o impacto artístico e cultural da cidade sobre ele foi de tal ordem que permaneceu sem pintar durante toda a sua estadia parisiense. Entretanto, se aproximou das vanguardas.

     Conheceu o cubista Pablo Picasso e impressionou-se com as ideias de Tristan Tzara, o grande agitador do movimento Dada, fez amizade com André Masson e inúmeros intelectuais. André Breton, líder do surrealismo, afirmou que “Miró é o mais surrealista de todos nós”.

    Miró nutria grande simpatia pelos surrealistas, mas permaneceu sempre independente. A liberdade será, durante toda a sua vida, um modo de pensar e de pintar.

Leia mais sobre a exposição Joan Miró – A Força da Matéria aqui.