Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Cena de TatyanaCena de Tatyana

Deborah Colker: de Tatyana à Bela da Tarde

(Londres, brpress) - Antes de começar nova produção, adaptação de A Bela da Tarde, coreógrafa faz balanço da internacionalização da cia. Por Juliana Resende.

(Londres, brpress) – London, London, de Caetano Veloso, poderia bem ser trilha de uma coreografia de Deborah Colker. Parece coisa simples para quem foi a primeira mulher a dirigir um espetáculo do Cirque Du Soleil (Ovo, 2008) e a primeira artista brasileira a ganhar o célebre prêmio inglês Olivier pela Extraordinária Contribuição à Dança (‘Outstanding Achievement in Dance’) por Mix, apresentado em Londres, no Barbican Centre, em 2001.

Londres  – que recebeu, no mesmo Barbican, a primeira temporada de duas semanas de Deborah e cia. na cidade, com Tatyana, este ano – tem sido literalmente Rota para o mundo, um trocadilho com o marcante espetáculo de 1999, com o qual seu trabalho começou a ganhar notoriedade além-mar. “Tivemos 13 críticas positivas e nossa carreira internacional decolou com um vôo muito alto, pela resposta acolhedora do públlico londrino”, diz a coreógrafa, antes de embarcar do Rio para Londres, em entrevista exclusiva à brpress.

Colker tem uma relação especial com a capital britânica, apesar de conhecer os quatro cantos do planeta nas turnês que faz com sua companhia. Ela explica a predileção: “Londres compreendeu quase que institiva e instantaneamente meu trabalho”, declara-se. “Compreendeu a virada que eu estava querendo dar na dança contemporânea, de maneira criativa, diferente e extremamente profissional. Reconheceu a minha ousadia. Foi e é sempre vibrante.”

    Em retribuição, quem vibra é o público britânico com Tatyana, adaptação do clássico da literatura russa, Eugene Onegin, de Alexander Pushkin. Antes da temporada londrina, a coreografia foi apresentada somente uma noite, no eclético e multicultural Festival Internacional de Edimburgo, em 11 de agosto de 2012 – portanto em plena Olimpíada de Londres.  A Companhia de Dança Deborah Colker  foi ovacionada naquela noite, estreia européia de Tatyana, que esta repórter teve o privilégio de presenciar em meio aos aplausos de uma das platéias mais cosmopolitas do mundo. Deu orgulho de ser brasileira – sensação tão rara e sublimemente desfrutada.

    Se a coreografia Rota é a que melhor se comunica com os jovens e com um público que não é necessariamente familiarizado com dança –  traço comum a todo o trabalho de Colker –, Tatyana é arrebatadora, contando uma história passional de um amor trágico. É uma produção impecável num cenário minimalista de Gringo Cardia (que também assina a direção de  arte), com direção executiva de João Elias e musical de Berna Ceppas, incluindo luz de Jorginho de Carvalho e figurino de Fabia Bercsek.

Bela da Tarde

Se Tatyana é sensual e fisicamente intensa, o que diremos da montagem de A Bela da Tarde – sim, Belle de Jour, livro de Joseph Kessel no qual Luiz Buñuel baseou seu cultuado filme –, que será o próximo trabalho de Deborah Colker. “Com Tatyana, foi a primeira vez que adaptei um livro. O resultado foi tão bom que já preparo a adaptação de outro”, conta ela, animada ao revelar, em primeira mão, a nova empreitada.

“Gosto quando o público já conhece a história em que a coreografia é baseada, mas também gosto quando chega às cegas e se entrega a aquilo que viu”, diz Colker. Em todo saguão de cada teatro, em cada canto do mundo, na língua que for preciso, a cia. coloca um resumo da história de Pushkin, que também vira personagem no palco em Tatyana. Com A Bela da Tarde não será difirente.

A estreia do novo espetáculo deve acontecer em 2014. A intrépida coreógrafa ainda não sabe quem será Séverine, a mulher burguesa que, entediada com o marido e a vida, passa as tardes prestando serviços no bordel de Madame Anais. “É mais uma personagem feminina incrível”, festeja Deborah. “Quero explorar o diálogo entre o instinto e a razão. Dessa vez, a sexualidade mais escancarada promete tomar lugar da rejeição sofrida de Tatyana. “Gosto muito desta história e desta mulher e sobre como conseguimos nos colocar nessa luta primária que é o sexo”.

    Deborah vai logo avisando: “Não é fácil criar um rendez vous!”. Que o diga alguém que colocou o nome do Brasil riscado entre uma acrobacia e dois pliés, numa  internacionalização sem volta de uma verdadeira grife em movimento, que é sua companhia. Antes de estourar em Londres, os passos marcantes, o lirismo misturado com escalada de paredes, os músculos e as pontas dos bailarinos extremamente fortes saltaram os olhos de programadores de diversos centros de dança europeus: os festivais de Lyon e Hanover, em 1996, e Weimar, em 1998, onde diretores do Peacock Theather, anexado ao Sadler’s Wells, maior casa de dança do Reino Unido, viram a cia. e encantaram-se.

    A imprensa britânica chama a Cia. Deborah Colker de “trailblazing”. A palavra combina com a coreógrafa: pioneira, inovadora, mas que ainda tem frio na barriga e se excita ao anunciar um novo espetáculo. Todo esse pique é mantido com uma aula de balé clássico que a coreógrafa faz e outra de dança contemporânea que ela dá para a companhia, diariamente. Fora as 2 horas e meia de preparação. “Meu segredo é fazer das aulas um grande prazer. Encaro também uma esteira por 45 minutos, lendo o jornal de manhã. Malho eventualmente, presto atenção na alimentação – e gosto de uma cachacinha”.

(Juliana Resende/brpress)

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.

Comentários

Publicar Comentário