Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Mandrake virou série da HBO com Marcos Palmeira no papel do advogado criado por Rubem Fonseca. Foto: GloboMandrake virou série da HBO com Marcos Palmeira no papel do advogado criado por Rubem Fonseca. Foto: Globo

Rubem Fonseca, mestre dos simplesmente humanos

(brpress) - Ex-policial, escritor contava suas histórias com realismo quase jornalístico, desenvolvendo uma estética literária cinematográfica onde a violência é uma condição humana, sem qualquer glamourização nem idealismo.

(brpress) – Brutalista. É como o crítico literário Alfredo Bosi define a literatura de Rubem Fonseca, morto nesta quarta (15/04), aos 94 anos de ataque cardíaco. O motivo da alcunha é a brutalidade com que o escritor, ex-policial, contava suas histórias com realismo quase jornalístico, desenvolvendo uma estética literária cinematográfica estrelando tipos simplesmente humanos. Histórias sem final feliz ou idealismo. Somente o mundo ou submundo nu e cru.  Na obra de Fonseca, a violência é uma condição humana, sem qualquer glamourização nem apologia. 

Um dos mais celebrados de seus livros, Feliz Ano Novo (1975) foi best seller e seguidamente censurado pela ditadura militar que o escritor então apoiara. Liberado somente dez anos depois, conta a história de dois garotos que invadem uma mansão no réveillon e praticam toda forma de crimes, inclusive sexual. 

“O que mais choca no livro e que incomodou muita gente é que quando o dono da casa diz aos invasores ‘pode levar tudo’, eles ficam ainda mais violentos”, diz o jornalista Reinaldo Azevedo, que foi aluno de Alfredo Bosi. Qualquer semelhança com a realidade não é mera coincidência. 

Agosto e Mandrake

O romance histórico Agosto (1990) é o livro mais conhecido porque virou minissérie da Globo (1993). Rubem Fonseca é o ídolo dos roteiristas pois sua linguagem é naturalmente cinematográfica, principalmente quando mergulha no mundo do crime. Afinal, o escritor foi delegado de polícia. 

Criou, para protagonizar alguns de seus contos e romances, um personagem antológico: o advogado Mandrake, mulherengo, cínico e imoral, além de profundo conhecedor do submundo carioca. Mandrake foi transformado em série pela HBO , com roteiros de José Henrique Fonseca, filho de Rubem, e o ator Marcos Palmeira no papel-título.

Em 2003, venceu o Prémio Camões, o mais prestigiado galardão literário para a língua portuguesaRubem Fonseca escreveu até 2018. Que os ‘fonsequianos’ preecham o vácuo que será deixado por este grande criativo.