Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Jornalista italiano Vittorio Castellani põe o mundo à mesa  sob o pseudônimo de Chef Kumalè. olioofficina.comJornalista italiano Vittorio Castellani põe o mundo à mesa  sob o pseudônimo de Chef Kumalè. olioofficina.com

Chef desvenda mitos e tabus da gastromonia

(brpress) - Em O Mundo à Mesa, jornalista italiano Vittorio Castellani, sob o pseudônimo de Chef Kumalè, explica como a cultura influencia hábitos alimentares.

brpress) – Por que o vinho é proibido para os muçulmanos, os hindus não comem carne de vaca e os judeus alimentam-se apenas de animais que têm o casco dividido e são ruminantes? As respostas estão em O Mundo à Mesa (Saberes Editora, 240 págs. R$ 29,00).

    O livro trata de preceitos, mitos e tabus da gastronomia, criados a partir dos aspectos históricos, sociológicos, econômicos e religiosos que definem os hábitos alimentares dos seres humanos, nas mais diversas sociedades.

    Ciente de que, no mundo todo, os momentos mais importantes da vida das pessoas – casamentos, festividades religiosas, reuniões de trabalho e até torcidas – se dão em torno de uma mesa, o chef mostra, por meio de uma viagem aos cinco continentes, como o mundo se comporta à mesa, desvendando ritos, tabus e preceitos culturais que são deteminantes nestes comportamentos.

“Gastronômade”

    O autor deste verdadeiro manual gastronômico é o jornalista italiano Vittorio Castellani, que escreve sob o pseudônimo de Chef Kumalè, nascido nas tradições culinárias da Itália – um dos países mais “apetitosos” do mundo ocidental.

    Como pesquisador, Kumalè acredita que a gastronomia é muito mais do que comida – porque os seres humanos são os únicos animais que não comem apenas pela necessidade de nutrientes –, mas é também movida pela curiosidade, que leva ao conhecimento e assimilação de outras culturas.

Exóticos

    “Os hábitos alimentares não devem ser criticados apenas pelo fato de serem diferentes dos nossos. É preciso, ao contrário, explicá-los e compreendê-los, considerando o contexto em que foram gerados, para que assumam um significado e uma razão de ser”, declara o chef.

    Por isso, no apêndice do livro, o leitor se depara com algumas receitas exóticas, como sopa de cobras, escorpiões amarelos e galinha velha, um prato típico chinês. E ainda descobre do que é feita a iguaria Bhang Lassi, bebida típica da cidade indiana de Benares, preparada com maconha, leite e especiarias.

Sobre o autor

    Professor da Universidade de Ciências Gastronômicas de Pollenzo, na qual participa do projeto Rotas dos Gostos, também ensina e orienta alunos do mestrado em enogastronomia da Universidade de Siena. É ainda colunista de revistas europeias de gastronomia e turismo.