Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Eva BlayEva Blay

Eva Blay dá voz à imigração judaica

(São Paulo, brpress) - Com livro O Brasil como Destino, socióloga concede à população judaica um protagonismo jamais reconhecido na história da imigração dp país.

(São Paulo, brpress) –  Com o livro  O Brasil como Destino (Editora Unesp, R$ 76,00, 423 páginas) , a socióloga Eva Blay concede à população judaica um protagonismo jamais reconhecido na história da imigração dp país..

    Os imigrantes judeus começaram a desembarcar no Brasil já no início do século 16, num movimento que prosseguiria até as primeiras décadas do século 20. A historiografia brasileira, porém, ignora sua existência: não há vestígios desses imigrantes nos livros escolares ou nos compêndios universitários.

Voz a todos

    Nesta obra  Eva Blay propõe-se resgatar essa longa trajetória. Ela reúne informações de pesquisa histórica e, de forma pouco usual, entrevistas com judeus que vivem no país. O livro reproduz relatos de imigrantes provenientes de 17 países – a maioria da Europa Ocidental –  e de diferentes classes sociais, questionando o estereótipo do judeu rico e bem sucedido.

    A autora reconstrói os cenários da imigração ao longo dos tempos. De onde vieram os judeus que escolheram o Brasil como destino? Como e onde viviam anteriormente? Por que vieram?

Expulsos

    Ela conta que nos primeiros tempos chegaram judeus expulsos de Portugal e Espanha no começo do século 16 e os que procuravam escapar da Inquisição. Ao longo dos séculos 18 e 19, desembarcaram os fugitivos dos pogroms, do serviço militar escravizante, da segregação. No século 20, viriam os fugitivos do nazismo.

No Brasil os imigrantes encontrariam situação incomparavelmente mais branda, segundo a autora, mas “cheia de armadilhas”. Para escapar à perseguição, muitos entre os primeiros que chegaram tornaram-se cristãos novos. E os que vieram mais tarde foram vítimas de preconceito.

Sobre a autora

Eva Alterman Blay é bacharel, mestre e doutora em Sociologia pela USP. Professora titular, hoje aposentada, dessa universidade, recebeu inúmeros prêmios, especialmente por sua atuação na área da Sociologia das Relações de Gênero. Trabalhou na ONU, em Viena, como Interregional Adviser no Departamento de Assessoria à Mulher, e foi senadora da República.

Comentários

Publicar Comentário