Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Máscaras de Harry e Meghan estão entre os souvenies do casamento vendidos no comércio popular britânico. Foto: Geraldo CantarinoMáscaras de Harry e Meghan estão entre os souvenies do casamento vendidos no comércio popular britânico. Foto: Geraldo Cantarino

Meghan tem tudo a ver com Harry

(São Paulo, brpress) - Henry Charles Albert David, o príncipe Harry, é o desencanado da família real britânica. Deve ter sido um alívio para ele encontrar outra desencanada, a porém articulada e disposta Meghan Markle. Por Juliana Resende.

Juliana Resende/brpress

(São Paulo, brpress) – Henry Charles Albert David, o príncipe Harry, é o desencanado da família real britânica. Ele pode. O mesmo luxo não se aplica a seu irmão William – o segundo na linha de sucessão e quem vai, efetivamente, ser rei (Charles já disse que prefere continuar fazendo geléia – vale experimentar as deliciosas Duchy Originals, marca orgânica que ele fundou em 1990 e licenciou parcialmente para a rede de supermercados Waitrose). Harry é o sexto.

Por isso, ele pode sair por aí sem usar terno e gravata (vale até ser fotografado seminu na balada ou vestido de nazista, numa festa  à fantasia) e, por mais que ele queira se enquadrar, é o caçulinha da vovó (já que a mamãe foi-se precocemente). Quando visitou o Brasil, em 2014, Harry manteve a atitude low profile. “Conheci” o ruivo que as meninas tanto amam ciceroneando a imprensa paulista cobrindo andanças do príncipe por lugares nem tão aprazíveis da Paulicéia, como a Cracolândia. Eu, gerente interina de Comunicação e Diplomacia Pública do Consulado Britânico; ele visitando obras sociais ajudadas por ONGs britânicas, como a ACER Brasil, em Diadema (SP).

Harry jogou bola, beijos e pegou na enxada (calma, apenas para plantar uma árvore). Na ocasião, até trocou quatro palavras com jornalistas: “É claro que sim”. Isso foi tudo que disse o príncipe, quando perguntado se estava se sentindo bem no Brasil. Parece que Harry só queria conversa com Alessandra Ambrósio. Reza a lenda que ele pediu para ser apresentado a ela, na festa de aniversário feita para sua avó, the Queen, mesmo sem a presença dela, no Centro Brasileiro Britânico, em São Paulo, pouco antes da Copa. Não sei dizer no que deu o encontro da modelo com o príncipe, mas sei que Sabrina Sato, também convidada, pediu um intérprete para trocar algumas frases com Harry. 

Não presenciei encontros do príncipe com celebridades tupiniquins, mas com a molecada numa pelada em Diadema, ele até que foi legal. Bem na dele, tímido até. A certa altura da festa-família, o circo pegando fogo, tudo que o príncipe parecia querer era fumar um cigarro em paz. Não conseguiu. A cada movimento e gesto, um flash estourava em sua cara. Deve ter sido um alívio para ele encontrar outra desencanada, a porém articulada e disposta Meghan Markle. Apesar de ser do showbiz, a atriz tem pouca pompa e muita simpatia. Ela gosta de falar; ele é caladão. O deslumbre dela é quase imperceptível. E Harry finalmente parece à vontade. Já ela nasceu à vontade e não tem nada de recatada e do lar. Bela? Charmosa. 

(A jornalista e CCO da brpress Juliana Resende empresta o nome do hino do Clash para uma coluna que só é escrita quando Londres chama)

Veja mais fotos de souverirs do casamento de Harry e Meghan à venda no comércio popular britânico.

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.