Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

manifestantes pediram a punição dos policiais que fecharam acessos da favela e jogaram bombas de gás. Foto: Rede Brasil AtualManifestantes pediram a punição dos policiais que fecharam acessos da favela e jogaram bombas de gás.

Massacre de Paraisópolis faz dois anos com indenização

Governo do estado de SP está indenizando oito famílias que perderem entes na operação policial e aceitaram o acordo

(brpress) – Alguma luz no final do ano para as famílias de jovens entre 14 e 23 anos mortos durante a operação policial na favela de Paraisópolis, na cidade de São Paulo, há dois anos, durante o baile funk do DZ7. O governo do estado de SP está indenizando oito famílias que aceitaram o acordo, proposto pela Procuradoria do estado, auxiliadas pela Defensoria Pública.

O valor e os termos das indenizações são sigilosos e o fato de aceitar o acordo na esfera administrativa não interfere no processo criminal, que  continua seguindo normalmente. O caso tornou-se emblemático da violência policial no Brasil.

Homicídio com dolo

Em julho, o Ministério Público de São Paulo denunciou os 13 policiais militares que participaram da operação na comunidade de Paraisópolis. Desses, 12 foram denunciados por homicídio com dolo eventual (no qual se assume o risco de matar). e um por colocar pessoas em perigo com uma explosão.Todos os agentes respondem aos crimes em liberdade. 

No dia 1o. de dezembro, manifestantes pediram a punição dos policiais que fecharam acessos da favela e jogaram bombas de gás nos frequentadores do baile, provocando o tumulto e mortes por asfixia – e não pisoteamento, como diz a polícia. 

Para contestar a versão dos policiais e mostrar as contradições do caso, foi lançado o filme Paraisópolis: 3 Atos, 9 Vidas. O material foi produzido pela Defensoria Pública, a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e as famílias de vítimas. O objetivo do curta é mostrar que a ação da Polícia Militar, na favela paulistana, não é um acidente, mas um massacre decorrente de política de estado na chamada Operação Pancadão.

Assista ao documentário Paraisópolis: 3 Atos, 9 Vidas:

#agioraeuquerogritar #rightnowiwanttoscream #diretoshumanos #violenciapolicial #violenciadeestado #segurançapublica #favelas #paraisopolis #paremdenosmatar #vidasnegrasimportam #blacklivesmatter