Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Neo e Trinity: casal 20 da saga cyberpunk reunidos. Foto: Warner Bros. StudiosNeo e Trinity: casal 20 da saga cyberpunk reunidos. Foto: Warner Bros. Studios

Matrix Resurrections é história de amor

É uma pílula difícil de engolir para os fãs da franquia cyberpunk, mas é a realidade no quarto filme da série Matrix.

(brpress) –  Keanu Reeves quase pariu uma jaca quando o repórter do Guardian que o entrevistou disse que veria Matrix Resurrections  (EUA, 2021) no laptop. Claro, isso seria o último recurso para um filme que esbanja estilo e efeitos especiais (e não passa muito disso). Portanto, aposte no Imax. Mesmo porque ‘Matrix 4’ só chega à HBO Max após 25 de janeiro.  

Mas se você é da geração X, fisgada pelo primeiro filme, vá ao cinema sabendo que, apesar das lutas coreografadas, cenas de ação de alta octanagem, figurinos cool e referências que entendidos do universo Matrix vão pescar, o quarto filme está mais para uma história de amor – sim, é uma pílula difícil de engolir para os fãs da saga cyberpunk, mas é a realidade. O resto é The Matrix. 

Conexão

A conexão de Neo (Reeves) e Trinity (Carrie-Anne Moss), mocinho e mocinha originais na trilogia que antecede a ressurreição – Matrix (1999), Matrix: Reloaded e Matrix Revolutions (ambos de 2003) –, em que agora voltam cinquentões, é a única capaz de mudar o mundo. Aquele velho mundo imbecilizante no qual ambos sobrevivem entediados e se reencontram. 

Qualquer semelhança com o mundo das redes sociais, do Meta de Mark Zuckerberg e dos humanos cegos obcecados e guiados pelas telas dos celulares não é mera coincidência. A diretora e corzteirista Lana Wachowski é clara nessa analogia. Ela teve até de trazer de volta das profundezas o Merovingian (Lambert Wilson), também conhecido como Francês: um programa antigo que insiste no poder da arte e de uma boa conversa. 

Deus Ex Machina 

Nesse sentido, o mote da saga continua atual –  a humanidade encarcerada uma realidade “virtual” comandada por máquinas que a impede de ser livre. Mas isso o primeiro filme já discutiu brilhantemente: controle, exploração, política e gênero, juntando no mesmo saco referências pop, como Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll, mitologia grega, informática e a frase Deus Ex Machina  (ela aparece num letreiro) como metáfora do enredo: indicar uma solução inesperada, improvável e mirabolante para terminar uma obra ficcional.

Porém, parece que o fim é só o começo – ou “uma nova chance”, como define Trinity.  Metalinguagem à parte, há um cinismo nessa empreitada caça-níqueis. Infelizmente, piadas não têm o peso do impacto que o primeiro Matrix do final do século passado teve. O  que vale nesse retorno é ver Neo e Trinity de mãos dadas – e não o galã de 57 anos e uma outra atriz 20 anos mais nova. Ela está lá, aos 54: com algumas rugas e sua moto para tirar Neo do torpe umbu e colocá-lo no olho do furacão. 

(Juliana Resende/brpress) 

Assista ao trailer de Matrix Resurrections: 

#brpressconteudo #matrixresurrections #matrix #keanureeves #cyberpunk #trinity #lanawachowski

No Comments

Post a Comment