Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Um dos looks da elogiada coleção de Louise Gray na London Fashion Week. Divulgação/whosjack.orgUm dos looks da elogiada coleção de Louise Gray na London Fashion Week. Divulgação/whosjack.org

London Fashion Week: da rua para a passarela

Londres, brpress) - É nas ruas da cidade que a moda acontece, cabendo a estilistas da nova geração, como Louise Gray e Nasir Mazhar, segui-la. Por Juliana Resende.

(Londres, brpress) – Que Londres, graças à mistura de tantas culturas (falam-se cerca de 70 línguas na capital britânica, segundo a agência Think London), tornou-se uma meca do estilo é lição básica para todo fashionista. É nas ruas da cidade que a moda acontece, cabendo aos estilistas segui-la. É a “tendência” na mão inglesa – no sentido contrário dos demais lugares, onde é a indústria que dita a moda.

Se as avenidas e escadarias do metrô londrino dizem muito mais sobre estilo do que as passarelas, o que dizer dos bastidores da London Fashion Week, a semana de moda inglesa que acontece até quinta-feira (21/09)? Os looks que circulam no evento são um show à parte de criatividade, ousadia e luxo (VEJA GALERIA DE FOTOS NO FACEBOOK).

Fator rua

Por conta do fator rua, estilistas como Louise Gray e Nasir Mazhar incorporaram em suas coleções influências do punk e hip hop, respectivamente. São dois movimentos musicais que transcenderam o som e viraram estilo de vida, da roupa à arte. Ambos, evidentemente, têm nas ruas seu maior suporte e vitrine.

Pois a “alta costura” se curvou mais uma vez para a “street wear” no desfile da dupla, na última segunda-feira (19/09), na antiga estação do Eurostar, em Waterloo – um dos pontos altos desta London Fashion Week.Mazhar redesenhou peças tradicionais da cultura árabe, como o turbante e o hijab. Gray apostou em cores – muitas cores – e sobreposições em peças extravagantes, mas totalmente usáveis.

Aliás, em Londres, usa-se qualquer coisa e londrino que é londrino em espírito não se intimida com “roupa de passarela” – ele veste sua combinação, passa tinta do cabelo, coloca um chapéu, amarra um lenço e sai para a rua sabendo que certamente vai “causar”. Para o bem ou para o mal, o que vale é expressar-se por meio do que veste.

(Juliana Resende/brpress)

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.

Comentários

Publicar Comentário