Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Mulher-Maravilha veste Armadura Dourada em 1984. Foto: Warner Bros Studios

Mulher Maravilha 1984 é golpe final na derrota de Trump

Odeio revólveres", diz Diana Prince, em Mulher-Maravilha 1984, que chega aos cinemas brasileiros dia 16 de dezembro, após vários adiamentos devido à pandemia. Enquanto assistíamos ao filme, em sessão para jornalistas,..
Por Juliana Resende

(brpress) – “Odeio revólveres”, diz Diana Prince, em Mulher-Maravilha 1984, que chega aos cinemas brasileiros dia 16 de dezembro, após vários adiamentos devido à pandemia. Enquanto assistíamos ao filme, em sessão para jornalistas, o Supremo Tribunal Federal (STF) derrubava a resolução de Bolsonaro que zerava a0 taxa de importação de revólveres e pistolas – usados em 72,5% das mortes violentas no Brasil.

Diana adoraria saber disso. Também ficaria lisonjeada de ser um antídoto à desesperança e à truculência de war lords do capitalismo selvagem como Trump – de quem o vilão Maxwell Lord (Pedro Pascal, cafona e louco, como deve ser) é uma evidente paródia. 

Diana e vacina 

Nestes tristes trópicos ainda não temos vacina contra a Covid mas já temos Mulher-Maravilha 1984 (nos EUA, o filme estreia em 25 de dezembro nos cinemas e na HBO Max; no Reino Unido, WW1984 chega com a vacina – mas tem o Brexit a tiracolo).

Assisti ao filme numa das duas sessões para jornalistas em São Paulo e sai do cinema com uma certeza: a força e a nobreza dessa semi-deusa amazona e seu Laço da Verdade vêm nos salvar no final do segundo tempo de 2020. 

Superpoderes

Ela regenera multidões de insensatos; freia arroubos megalomaníacos dos predadores alfa que têm pavor de serem perdedores e que se fortalecem no caos e na mentira.

Ela empodera as mulheres – da garotinha negra quatro olhos à colega mala de trabalho transformada em Mulher-Leopardo (Kristen Wiig). Ela destrói armas – assim justifica seu ódio. Ela atenua as desgraças do mundo revogando desejos egoístas – até o seu próprio. 

Tudo isso, em plena Guerra Fria, E com um namorado que retorna do pós-Segunda Guerra e reaparece do nada usando pochete nos anos 80. Em cenas de ação de tirar o fôlego – aquele que a gente tinha na pista de dança quando tocava New Order (Blue Monday é tema do filme, com trilha chique de Hans Zimmer).

Ombreiras e Armadura Dourada 

Diana Price não desce do salto para combater e salvar incautos vestindo calças legging. Também consegue ser charmosa usando ombreiras. 

Sua roupa de gala não é aquele vestido branco esvoaçante com fendas tão longas quanto suas pernas. É a  Armadura Dourada, traje especial da personagem incluído nos quadrinhos da DC Comics em 1996, que tem, segundo a atriz Gal Gadot, 284 peças e “é bem pesado”.

MM1984, o filme 

A cara de boneca e corpo de Barbie de Gal Gadot contrastam com a personalidade forte e independente da Mulher-Maravilha (ela não foi criada para servir de interesse amoroso de super-heróis masculinos). 

Sua empatia e altruísmo lembram muito Clark Kent em Superman, o filme que arrebatou corações em 1978. Tem até um cristal que confere superpoderes aos que dele se servem.

Jus à origem

Diana Prince é uma linda personagem. Gal Gadot, a diretora Patty Jenkins e os produtores (incluindo Zack Snyder)  revigoram com dignidade as memórias que temos da série dos anos 70 protagonizada por Lynda Carter e entregam tudo que um blockbuster de Hollywood deve ter. 

Wonder Woman 1984 honra sua trajetória feminista iniciada nos quadrinhos dos anos 40 e soa como música para nossos ouvidos cansados pela pandemia e pelos desgovernos. Mulher-Maravilha 1984 é cinema-esperança. Joga luz – ou melhor, glitter – nas trevas. 

#brpressconteuo #mulhermaravilha1984

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.