Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Brasil: é América Latina?

(Londres, brpress) - País concentra 35% da população e 40% do território da AL, mas ainda que os hispano-americanos possam ser identificados como latino-americanos, o mesmo não ocorre com os brasileiros. Por Isaac Bigio.
Isaac Bigio*/Especial para brpress

(Londres, brpress) – O Brasil concentra 35% da população e 40% do território da América Latina. No entanto, ainda que os hispano-americanos possam ser identificados como latino-americanos, o mesmo não ocorre com os brasileiros.

Esta percepção me foi confirmada por Leslie Bethell, que é compilador da maior obra de História da América Latina (a da Universidade de Cambridge, composta por 12 volumes e que custa US$ 2 mil), e que hoje reside no Brasil.

Truque francês

O termo “América Latina” foi desenvolvido pelos franceses, nos anos 1860, para justificar sua conquista do México, reafirmando seus direitos sobre a América, que falava uma língua latina e rezava em latim. Segundo Bethell, este conceito foi reconhecido na América Hispânica como um sinônimo desta. No entanto, no Brasil, nunca foi popular, devido a sua diferente origem e evolução.

Entre a América de língua  espanhola e a de língua portuguesa há uma grande diferença, que se aprofunda com a invasão francesa à península ibérica, em 1807-1814. Napoleão aprisionou o rei espanhol, o que deu origem a uma guerra civil inter-continental, que levou, entre 1810 e 1825, às independências em quase toda a América hispânica continental e à fundação de repúblicas independentes.

Quando da invasão francesa, a Casa Real portuguesa foi transportada por navios britânicos ao Brasil, pais elevado ao status de Reino (unido ao de Portugal) e sede do império português. Enquanto todos os quatro vice-reinados hispano-americanos se fragmentaram dando origem a 18 instáveis repúblicas, a América portuguesa se manteve unida, estável e sob uma monarquia.

Fico

Enquanto Londres e Washington anexavam muitos territórios hispano-americanos, o Brasil se expandia sobre seus sete vizinhos hispânicos. A “independência” brasileira foi relativamente pacífica e se deu quando um rei, que nasceu e morreu em Portugal (Pedro I) decidiu conservar seu reino contra seu pai, João VI, estabelecido em Lisboa.

A monarquia brasileira manteve a escravidão até 1888, um ano antes de ser derrocada, sendo o Brasil o país que tem mais descendentes de escravos no mundo. Diferentemente, as primeiras repúblicas latino-americanas limitaram e aboliram a escravidão pouco depois que o fez o Haiti, em 1804.

Enquanto os EUA invadiam países hispano-americanos, o Brasil se manteve afastado da disputa. Mais ainda, neste se desenvolveram vários dos mais entusiastas panamericanistas. O Brasil foi o primeiro país que apoiou militarmente os EUA na II Guerra Mundial.

Truque americano

Para Bethell, o Brasil passa a ser considerado parte da “América Latina” depois da citada  guerra de 1939-1945 quando, sob esta designação, Washington agrupa toda a parte sul e menos desenvolvida de seu hemisfério.

Nos últimos 16 anos de governo, os presidentes brasileiros Cardoso e Lula voltaram o olhar para seu entorno. Hoje, o Brasil enfatiza muito seu “sul-americanismo” e o bloco que criou não apenas com países hispânicos, mas também com os de língua inglesa e holandesa da região.

Mas, como sugere Bethell, a virada brasileira marca não tanto a reafirmação de uma “América Latina”, mas a de uma América multilingüe, que está ao sul.

(*) Analista de política internacional, Isaac Bigio lecionou na London School of Economics e assina coluna no jornal peruano Diario Correo. Fale com ele pelo e-mail [email protected] ou pelo Blog do Leitor. Tradução: Angélica Resende/brpress.

Isaac Bigio

Isaac Bigio vive em Londres e é pós-graduado em História e Política Econômica, Ensino Político e Administração Pública na América Latina pela London School of Economics . Tradução de Angélica Campos/brpress.