Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Liniker (o segundo a esq.Liniker (o segundo a esq.

2016: o ano de Liniker

(São Paulo, brpress) - Cantor de 'gênero fluido' e os Caramelows apresentam novo disco com shows esgotados no Auditório Ibirapuera.

(São Paulo, brpress) – 2016 é o ano de Liniker. O cantor paulista de 21 anos é um fenômeno pouco provável da MPopB, apesar de representar o advento do “gênero fluido” (quem se sente homem em determinados dias e mulher em outros) e ter voz e presença fortes. Vindo da cena do teatro, poderia ser mais um artista jovem buscando um lugar ao sol nas redes sociais. Mas, sem marketing e sem publicidade, estourou no YouTube há um ano e seus shows neste final de semana, no Auditório Ibirapuera, estão esgotados.

O moço, que não se envergonha de parecer uma moça, dependendo do seu mood, aparentemente deu sorte. Ou seria o lance do “gênero fluído”? Ele se define como gay. Mas isso realmente não importa. O fato é que ele é um artista com A maiúsculo. Sangue novo, trabalho fresco. A voz de Liniker – ora suave, ora rouca, mas sempre vigorosa – deixa transparecer seu sorriso, e a total entrega de um cantor e compositor performático e encantador.

Cru

Sua juventude não impede que Liniker  – nome em homenagem ao jogador de futebol inglês Gary Lineker (assim mesmo, com “e”), dado pelo tio – de exalar maturidade musical e potência em suas apresentações. Ao lado da banda os Caramelows, ele caiu nas graças do público com o deleitoso e convidativo EP Cru – gravado em ambiente caseiro e lançado em outubro do ano passado, no YouTube.

O sucesso veio rapidamente – viralizou na internet: após a repercussão das músicas Zero, Louise du Brésil e Caeu, o grupo fez uma turnê de mais de oitenta shows em um período de oito meses pelo país. No Auditório Ibirapuera, Liniker lança o álbum de estreia Remonta, que está disponível desde 16/09 nas plataformas digitais Spotify e Deezer (no iTunes, por enquanto, só o Cru). O disco é composto por treze faixas marcadas por melodias sofisticadas e elegantes, com influências do soul e samba-rock. 

Batom e turbante

“Por que colocar uma calça jeans e uma camiseta e mostrar meu trabalho só com a voz? Meu corpo é um corpo político”, disse Liniker, em entrevista ao jornal El País. Ele, que se define como “uma pessoa não-binária”, desprende-se de gêneros e usa isso no dia-a-dia, além do palco. Flerta com o masculino e feminino, e escancara em suas performances uma imagem andrógina e empoderada, doa a quem doer, choque quem chocar. 

“Neste momento de tanta opressão, me colocar assim, com essa força, é muito importante. As pessoas precisam saber que eu sou negro, pobre e gay e posso ter uma potência também”, completou. O cantor também não esconde sua maior e mais importante inspiração: a mãe, Ângela, que criou ele e o irmão de 13 anos sozinha. Quando chegou em casa pela primeira vez com roupas de mulher, e foi questionado pelo tio por “não saber como um homem deveria se vestir”, ela o defendeu: “Deixa o Liniker, ele é um artista”.

(Re)montado

O álbum Remonta tem produção de Márcio Arantes, que já trabalhou com Tulipa Ruiz, uma das colaboradoras do novo disco de Liniker e os Caramelows. Além da cantora, o álbum conta com participação especial dos grupos Bixiga 70, Aeromoças e Tenistas Russas, os cantores Marcelo Jeneci, Xênia França, a rapper Tássia Reis e as vocalistas da banda de transexuais As Bahias e a Cozinha Mineira.

Os Caramelows Rafael Barone (baixo), William Zaharanszki (guitarra), Pericles Zuanon (bateria), Márcio Bortoloti (trompete) e Ranata Éssis (backing vocal) assinam as melodias do projeto. As faixas Zero, Louise du Brésil e Caeu estão inclusas no álbum em versões repaginadas. O disco chega às lojas na sexta-feira (30/09).

Assista ao vídeo de Liniker e os Caramelows ao vivo no festival Bananada 2016: