Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Taylor Swift reclamou que sofreu bulying de antigo empresário e #WeStandWithTalyor viralizou no Twitter. Foto: GrammyTaylor Swift reclamou que sofreu bulying de antigo empresário e #WeStandWithTalyor viralizou no Twitter. Foto: Grammy

Janet Jackson e Taylor Swift contra o machismo no pop

(brpress) - Janet Jackson se rebelou (ainda que graficamente) contra o machismo no festival de Glastonbury, e Taylor Swift revelou que sofria bulying de seu antigo empresário.

(brpress) – Fala-se cada vez mais sobre questões de gênero na música pop. Recentemente, houve dois capítulos importantes desta pauta: Janet Jackson se rebelando (ainda que graficamente) contra o machismo no festival de Glastonbury, e Taylor Swift revelando que sofria bulying de seu antigo empresário.

Na edição do Glasto 2019, que aconteceu de 26 a 30 de junho, e na qual Janet Jackson  foi uma das headliners femininas, ela ganhou críticas pelo suposto uso de playback no palco. Mas o mais comentado foi um fato pré-show: a cantora alterou e twittou o cartaz do festival, com seu nome à frente de The Killers, The Cure e Kylie Minogue – quando no cartaz original estava por último. Virou até piada na rede social. 

Janet não se pronunciou, mas o caso provocou discussões com a organização do Glastonbury, de como tornar mais igualitário um festival em que, tradicionalmente, cerca de oito em cada dez atrações são masculinas e cuja hegemonia do bolinha nos top headliners (atrações principais) só foi quebrada em 2016, com Adele e Beyoncé – a primeira artista negra a ser atração principal do festival Coachella, na Califórnia, em 2018.  

“Olhar line-ups de festivais é ainda um pouco deprimente”, comentou no Guardian, a guitarrista KT Tunstall. “Não é algo isolado, restrito a festivais. O problema da discriminação de mulheres existe e está em todos os segmentos da música”, completou. Emily Eavis, filha do co-criador do Glastonbury, Michael Eavis, na fazenda da família, Worthy Farm, em Somerset, na Inglaterra. “Ainda recebo olhares enviesados de alguns executivos da música”. 

Carta-desabafo

Nessa toada, Taylor Swift publicou, também no Twitter, uma carta-desabafo após descobrir que o empresário Scooter Braun comprou a gravadora Big Machine, de Scott Borchetta. O selo é dono de seus seis primeiros álbuns. No post, Swift afirma que sofria bullying de Braun, que atualmente trabalha com Ariana Grande e Justin Bieber. 

“Esse é o pior cenário”, disse a cantora no post e o Twitter explodiu com a trend topic #WeStandWithTalyor {“Estamos com Taylor”, em tradução livre). Ela não teve a chance de comprar os direitos de suas músicas da Big Machine. Horas após a divulgação da carta, Borchetta divulgou um comunicado com detalhes do acordo da gravadora. Justin e Demi Lovato defenderam Braun.

Grandes nomes do pop feminino, como Adele, Rihanna e Beyoncé apoiaram Taylor Swift. Uma internauta comentou “Mesmo que você não goste de Taylor Swift, confie nas ações de mulheres na indústria de música. Elas sabem bem como isso funciona”. 

Comentários

Publicar Comentário