Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Johnny MarrJohnny Marr

Johnny Marr, professor

(São Paulo, brpress) - Se a Cultura Inglesa valoriza os professores, trazer o guitarrista foi tacada de mestre. Por Juliana Resende. 

(São Paulo, brpress) – Take me out tonight / Take me anywhere I don’t care I don’t care…. A plateia de 12 mil pessoas cantou junto este e outros versos mais complicados (em inglês) de sucessos dos Smiths que o ex-guitarrista do grupo, Johnny Marr, derramou no Memorial da América Latina, em show de encerramento do 19o. Cultura Inglesa Festival.  Foi lindo.

Aos 51, Marr exibiu forma musical, carisma e um corpinho invejáveis, dando uma aula de rock ao público – a maioria dos jovens que sequer haviam nascido quando os Smiths fizeram sucesso com os hits que levantaram a poeira dos coturnos e espantaram o frio (inclusive na alma dos fãs da finada banda dos anos 80).

Gênio modesto

Se a Cultura Inglesa valoriza os professores como diz sua propaganda, trazer o guitarrista, que leciona música em cursos especiais na Universidade de Manchester, foi tacada de mestre.  Marr é tido como gênio (dos mais modestos, vale dizer) pela bíblia do pop britânico New Musical Express. E como bom professor e ícone do indie rock, tendo influenciado vários guitarristas, ele soube mesclar perfeitamente clássicos dos Smiths (How Soon Is Now, There’s a Light That Never Goes Out e Bigmouth Strikes Again), trabalho próprio (faixas do novo álbum, Playland) e até uma versão disco deliciosamente psicodélica e libidinosa de Want You, do Depeche Mode – anunciando-a como um hino do clube Haçienda, berço da cultura rave e da acid house em ‘Madchester’. Deleite total.

A sensação que ficou  é que o tempo não passou desde os primeiros acordes dos Smiths. O melhor (ou pior, para quem venera): o cantor Morrissey não fez tanta falta a Marr, muito mais à vontade com sua própria banda de que quando tocou no Lollapalooza 2014. Logo ele arrancou o blaser de veludo e se jogou na energia do público, parecendo despido da camisa vermelha com poás brancos e da calça preta. Poucos notaram suas unhas esmaltadas de azul cintilante. Poucos notaram que mais de um quarto de século havia se passado.

Assista a um trecho do show no nosso Instagram: @br_press

(Juliana Resende/brpress)

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.