Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Inspirando-se nos quatro elementos da naturezaInspirando-se nos quatro elementos da natureza

Naná Vasconcelos: sons da floresta na megalópole

(São Paulo, brpress) - Percussionista repete show em que foi ovacionado no Bourbon Festival Paraty 2015, em apresentação única na casa que produz o evento com o violoncelista Lui Coimbra. Por Juliana Resende.

(São Paulo, brpress) – Depois de uma incrível apresentação gratuita – e ovacionada – no Bourbon Festival Paraty 2015, o percussionista Naná Vasconcelos prepara-se para mais um show na casa paulistana que produz o evento, o Bourbon Street Music Club, nesta terça (02/06), às 21h30. Ele deve reproduzir na megalópole os sons da floresta com auxílio do público, como fez em Paraty, no domingo (31/05), com o violoncelista Lui Coimbra, que, além de tocar vários instrumentos de cordas, revela-se um cantor e compositor de grande talento.

    Eleito oito vezes como melhor percussionista do mundo pela revista americana Down Beat, seu último trabalho autoral foi o CD 4 Elementos, lançado em 2012. Mas o gênio criativo Naná Vasconcelos está sempre em constante atividade – seja comandando 600 batuqueiros de doze nações de maracatu no carnaval recifense, seja fazendo a trilha de filmes como O Menino e o Mundo, consagrado como melhor filme pelo júri e público, no Festival de Cinema de Animação de Annecy, na França, o mais importante do gênero no mundo.

Quatro elementos

    Inspirando-se nos quatro elementos da natureza, água, ar, terra e fogo, o percussionista cria e recria sons em composições originais. O resultado é genial, inventivo, instigante. Além da emoção, o ouvinte é convidado a uma escuta diferenciada. Naná se apodera de soluções inesperadas quando utiliza um saquinho de salgadinho para representar o fogo, entre outras surpresas advindas de sua suprasensibilidade sonora.

    Juvenal de Holanda Vasconcelos nasceu no Recife, em 2 de agosto de 1944. Mesmo depois de duas décadas tocando pelo mundo – morou em Paris e Nova York –  as influências de sua terra estão presentes em tudo o que faz. Dotado de uma curiosidade intensa, indo da música erudita do brasileiro Villa-Lobos ao roqueiro Jimi Hendrix, Naná aprendeu a tocar praticamente todos os instrumentos de percussão, embora nos anos 60 tenha se especializado no berimbau.

A virada

    Depois das mais variadas experiências musicais, Naná Vasconcelos mudou-se para o Rio de Janeiro e começou a trabalhar com Milton Nascimento. Em 1970, o saxofonista argentino Gato Barbieri convidou-o para juntar-se ao seu grupo. Apresentaram-se em Nova York e Europa, com destaque para o festival de Montreaux, na Suíça, onde o percussionista encantou público e crítica.

    Ao término da turnê, fixou residência em Paris, França, durante cinco anos, onde gravou o seu primeiro álbum – “Africadeus” (71). No Brasil, Naná gravou o seu segundo disco Amazonas (72). Começou, então, uma bem-sucedida parceria com o pianista e compositor Egberto Gismonti, durante oito anos, que resultou em três álbuns – Dança das Cabeças, Sol do Meio-Dia e Duas Vozes. 

Internacional

    De volta a Nova York, formou o grupo Codona, com Don Cherry e Colin Walcott, também gravando e fazendo turnê com a banda do guitarrista Pat Metheny. Trabalhando com artistas das mais variadas tendências, Naná Vasconcelos gravou com B.B. King, com o violinista francês Jean-Luc Ponty e com o grupo de rock americano Talking Heads, liderado por David Byrne.

    Nessa altura, Naná já havia trabalhado nas trilhas dos filmes Procura-se Susan Desesperadamente, de Susan Seidelman, estrelado por Rosanna Arquette e Madonna, e Down By Law, do cultuado diretor Jim Jarmusch, além de Amazonas, de Mika Kaurismäki.

Berimbau eletrônico

    O trabalho de Naná sempre demonstrou a amplitude do seu talento, e nos anos 80 gravou o disco Saudades, concerto de berimbau e orquestra. Depois, vieram os álbuns Bush Dance e Rain Dance, suas experiências com instrumentos eletrônicos.

    Daí por diante, Naná esteve envolvido mais diretamente com o cenário musical brasileiro ao fazer a direção artística do festival Panorama Percussivo Mundial (Percpan), em Salvador, e do projeto ABC Musical, além de participações especiais em álbuns de Milton Nascimento, Caetano Veloso, Marisa Monte e Mundo Livre S/A, entre outros.

Bourbon Street | Rua Dos Chanés, 127 – Moema – SP
Bilheteria Bourbon Street: Rua dos Chanés 194 – de 2ªf.a 6ª.f das 9h às 20h, sábado e feriado das 14h às 20h
Fone para reserva: (11) 5095-6100 (Seg. a sexta) das 10h às 18h
Abertura da casa:  20h
Duração: 80 min. aproximadamente
Couvert  Artistico: R$ 90,00 (1º. Lote)
Venda também pela
 Ingresso rápido – 11 4003 1212 – www.ingressorapido.com.br
Censura: 18 anos e 16 anos acompanhado de responsável
Capacidade: 450 pessoas
Estacionamento/ Valet: R$ 25,00
Aceita todos os cartões de débito e crédito.
Acessibilidade motora
Ar condicionado.