Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Katy Perry inaugura fase de pop com propósito na era Trump. Foto: DivulgaçãoKaty Perry inaugura fase de pop com propósito na era Trump. Foto: Divulgação

Para Katy Perry, era Trump pede pop com propósito

(brpress) - ’Purposeful pop” é o novo termo para música pop com letras desaforadas e refrões grudentos criado pela cantora e lançado no Grammy 2017. Por Juliana Resende.

(brpress) – ’Purposeful pop” é o novo termo para música pop com letras desaforadas e refrões grudentos criado por Katy Perry. Sua nova fase pop com propósito foi lançada oficialmente no Grammy 2017. A cantora americana escolheu a politizada Chained to the Rhythm, nove single de um álbum ainda não anunciado, para seu número na premiação. 

O pop açucarado e colorido de Perry deu lugar a um clima de urgência e, como agora é moda, pode ser interpretado como uma reação ao novo governo norte-americano. Em vez do quase adolescente figurino floral e cítrico, um terninho branco e preto. Refrões como “eu beijei uma garota e gostei/ Tinha gosto de brilho de cereja” se transformaram em “vivendo nossas vidas através de uma lente/aprisionados em nossa cerca branca/tão confortável a nossa bolha”. 

Muro 

No cenário de sua aguardada apresentação no Grammy, a tal cerca mais parecia o muro de Trump (Perry fez campanha para Hilary Clinton). Na cabeça – além dos cabelos esturricadamente platinados (que os fãs, esses mesmos que vivem numa bolha de perfeição midiática e no sonho pop de uma garota boba supostamente transgressora, criticaram no mesmo Twitter em que sua musa cunhou a era do ’purposeful pop’), uma certeza: “Andamos por aí feito zumbis”. 

Kate Perry continua, no entanto, “acorrentada ao ritmo” chatinho de músicas vazias (salvem-se os hinos Part of Me, da auto-aceitação, e I Kissed a Girl, da descoberta  lesbian teen). A dentro foi convidar o Skip Marley (neto de Bob) para cantar com ela no estúdio e no Grammy. Um imigrante jamaicano de nobre estirpe. 

(Juliana Resende/brpress)

Assista ao vídeo de Chained to the Rhythm:

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.