Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

O grupo Galinha Preta se apresenta no palco BudweiserO grupo Galinha Preta se apresenta no palco Budweiser

Porão do Rock: espírito adolescente

(Brasília, brpress) – Se o rock nacional vive um momento de entressafra e há certo desinteresse do grande público pelas bandas do underground, o Porão do Rock mostrou que a renovação é necessária para garantir vida longa ao gênero. Em plena fase ‘smells like teen spirit’, parafarasendo o saudoso Nirvana, numa época que o grunge virou “tiozinho”, o PR precisa superar os dilemas de sua adolescência.    Em sua 16ª edição, o festival que é realizado anualmente em Brasília deixou algumas pistas do que poderá acontecer no mercado pelos próximos anos. Seu público passa por uma renovação, desde aquela primeira vez, em 1998, quando o Porão revelou inúmeras bandas como Maskavo Roots, Pravda e Móveis Coloniais de Acaju.     O festival continua sendo uma referência como a principal vitrine nacional do que acontecia na cena da capital federal.  Novamente realizado no estacionamento do estádio Mané Garrincha,  o Porão conta com diversos voluntários, que auxiliam na produção, fotografando, gravando em vídeo e realizando pesquisas de opinião. Este ano, pela primeira vez, incentivou o público a ir de bicicleta, oferecendo uma área segura com bicicletário, além de skatepark, paredão de escalada e bungee jump. Headliners dominaram     Nos dois dias do evento, a maioria das pessoas chegou bem depois das bandas de abertura. Como sempre, o preto predominava e os brasilienses não economizaram na produção O exagero rolou também na birita. Ainda no meio da noite, vários roqueiros já dormiam no gramado e em outros cantos do evento.     Também como no

(Brasília, brpress) – Se o rock nacional vive um momento de entressafra e há certo desinteresse do grande público pelas bandas do underground, o Porão do Rock mostrou que a renovação é necessária para garantir vida longa ao gênero. Em plena fase ‘smells like teen spirit’, parafarasendo o saudoso Nirvana, numa época que o grunge virou “tiozinho”, o PR precisa superar os dilemas de sua adolescência.

   Em sua 16ª edição, o festival que é realizado anualmente em Brasília deixou algumas pistas do que poderá acontecer no mercado pelos próximos anos. Seu público passa por uma renovação, desde aquela primeira vez, em 1998, quando o Porão revelou inúmeras bandas como Maskavo Roots, Pravda e Móveis Coloniais de Acaju.

    O festival continua sendo uma referência como a principal vitrine nacional do que acontecia na cena da capital federal.  Novamente realizado no estacionamento do estádio Mané Garrincha,  o Porão conta com diversos voluntários, que auxiliam na produção, fotografando, gravando em vídeo e realizando pesquisas de opinião. Este ano, pela primeira vez, incentivou o público a ir de bicicleta, oferecendo uma área segura com bicicletário, além de skatepark, paredão de escalada e bungee jump.

Headliners dominaram

    Nos dois dias do evento, a maioria das pessoas chegou bem depois das bandas de abertura. Como sempre, o preto predominava e os brasilienses não economizaram na produção O exagero rolou também na birita. Ainda no meio da noite, vários roqueiros já dormiam no gramado e em outros cantos do evento.

    Também como no ano passado, o Porão do Rock funcionou com dois palcos lado a lado se alternando e um, mais afastado, dedicado às bandas mais pesadas, em geral de metal, punk rock e hardcore.

    Das 19 atrações da noite de sexta, a carioca Kita e a local Cadibóde foram os destaques. Os argentinos da Banda de La Muerte e os paulistas do Nem Liminha Ouviu passaram batido.

Berimbau pesado

    Animado estava o palco metaleiro, onde Devotos (PE), Test (SP), Os Maltrapilhos (DF) preparavam o ambiente para a grande atração, o Soulfly (EUA). A banda de Max Cavalera fez o que se esperava dela com o vocalista dizendo que “o berimbau vai conquistar o mundo”.

    O ex-vocalista do Rumbora, Alf, apresentou seu novo trabalho solo, assim como a Leela, agora um trio e com uma pegada pendendo mais para a mistura do rock com música eletrônica.

Rasgado

    O Dead Fish protagonizou um dos pontos altos quando, no meio de um set de 21 músicas, o vocalista Rodrigo foi pra galera e voltou com a blusa completamente rasgada.

    Enquanto trabalha para lançar um novo álbum de inéditas em 2014, o grupo divulgava as 500 cópias de um compacto em vinil que chegara da Alemanha na véspera do show. Os tempos são outros. Se até uma década atrás o disco de ouro significava um milhão de cópias vendidas, no meio independente qualquer milzinho é motivo para comemorar.

Vinil de volta

    Ainda sobre isso, vale registrar a quantidade expressiva de vinis e pen drives circulando pelos bastidores. Voltei com três álbuns neste formato e dois disquinhos. Os LPs do Dead Fish, Leptospirose e Banda de La Muerte se esgotaram na lojinha em poucos minutos.

    Emocionado estava Dinho Ouro Preto, desabafando em alto e bom som para todo mundo ouvir que o Capital Inicial era a única banda daquela geração que ainda não tinha tocado no Porão do Rock. “Essa noite, antes do show, eu fiquei nervoso pra caralho”, revelou o experiente vocalista.

     Também cascorado, o Matanza não se intimidou com o posto de headliner. O quarteto fechou a primeira noite metendo o pé na porta e botando a casa abaixo.

Promessas

    No sábado, mais uma vez o palco afastado foi o único que manteve bastante público o tempo todo. A zoeira começou com Pastel de Miolos (BA), Unconscious Disturbance (SP) e Prisão Civil (DF) – banda que existe desde 1991 e que faz um punk rock de protesto.

    Morando em Brasília há 30 anos, o vocalista fez um discurso inflamado e apontou para o estádio de futebol como um exemplo de desperdício de dinheiro público. “Isso aí não é pra gente”, bradou antes de tocar a música Promessas.

Galinha Preta

    Ainda passariam pelo mesmo palco os excelentes Krisiun (RS), Leptospirose (SP) e Galinha Preta (DF), que no final do ano passado lançou um ótimo disco.
O desfecho não poderia ser melhor.

    O Suicidal Tendencies fez um set matador que levou a galera ao delírio. O grupo californiano tocou faixas do seu novo e nono álbum, 13, entre elas Cyco Style, com cenas da passagem pelo Brasil no ano passado.

Harmonia

    Cyco é o apelido do vocalista Mike Muir, único remanescente da formação original. Num momento de grande tensão a banda convidou os skatistas a subirem no palco e com uma multidão ali em cima, mandou o clássico Possessed to Skate. Ainda fizeram isso mais uma vez na última música sem que houvesse qualquer confusão, inclusive entre o público e os seguranças. Um Porão de paz.

    Nos outros dois palcos, um dos grandes momentos do festival foi a apresentação dos Paralamas do Sucesso, com um repertório muito bom, inclusive sincronizado com o telão ao fundo. E ainda tiveram a humildade de pedir palmas para a equipe técnica, que monta e opera o equipamento de som.

Baforadas e melancolia

    Os brasilienses do Na Lata pisaram o mesmo palco com uma dinâmica interessante, apelos canábicos e elementos percussivos. O vocalista chegou a descer do palco para organizar uma roda de pogo na plateia. 

    Quem dividiu opiniões foi Mark Lanegan (EUA), ex-vocalista do Screaming Trees, que veio em trio e fez um show melancólico. Se no gargarejo fãs chegavam a chorar – no meio do festival o inusitado.

    Durante a troca de palco do metal, apenas o som calmo e sonolento de Mark ecoava pelo estacionamento. Melhor sorte teve o grupo Rios Voadores, revelação do Porão do Rock 2013. Original de Sergipe e radicado no Distrito Federal, embalaram com um rock agradável e até psicodélico. Pequena e graciosa, a vocalista que atende pelo pseudônimo Gaivota Naves cantou, dançou e encantou. Que voe bem alto.

    Como headliners nos dois palcos, The Mono Men e Lobão não conseguiram reter o público que fora assistir ao Suicidal Tendencies. A primeira, que agitava Seattle antes mesmo de aparecer o Nirvana, fez um show fantástico, com vigor e canções melodiosas.

Lobo caído

    Da mesma forma que Mark Lanegan, o Mono Men ainda é um artista de nicho, que não atrai multidões. Já o cantor Lobão, encarregado de encerrar o festival, deixou para o final seus maiores hits, e, talvez por isso, não tenha conseguido segurar a massa na madrugada candanga. Ainda assim valeu pela canção que compôs para o Fora do Eixo, uma espécie de projeto político através da música, que anda seduzindo jovens ingênuos Brasil afora.

    Falando nisso, foi grande a presença de crianças e adolescentes. Com a censura 16 anos e preços acessíveis (R$ 15 por dia a meia entrada), a molecada marcou presença inclusive nas grades que dividiam o público do palco.

    Pela quantidade de pais acompanhados dos filhos, todos usando a camiseta do seu grupo favorito – que ia de AC/DC e Rolling Stones a Slipknot e Metallica –, o Porão do Rock é um festival que passa de geração em geração. Se tiver fôlego, daqui a uma década continuará sendo o principal trampolim para o rock de Brasília.

(Pedro de Luna/Especial para brpress)