Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

We Will Rock You: um mundo não muito distante sem espaço para música e contestação. Foto: DivulgaçãoWe Will Rock You: um mundo não muito distante sem espaço para música e contestação. Foto: Divulgação

Pra cantar junto e celebrar o rock

(São Paulo, brpress) - We Will Rock You, com músicas do Queen, é celebração do ‘teen spirit’ que Galileu, vivido por Alírio Netto, encarna tão bem. Ele conversou com Juliana Resende.

(São Paulo, brpress) – Hoje é dia de rock, bebê! O bordão, imortalizado pela atriz Christiane Torlone meio sem querer durante uma entrevista, soa renovada nesta quarta-feira (13/07), Dia Mundial do Rock. E uma boa pedida para celebrar com o espírito adolescente do último tufão do gênero que varreu a Terra, no início dos anos 90 – o grunge – é assistir ao musical We Will Rock You, com músicas do Queen, em cartaz no Teatro Santander. We Will Rock You rocks!

O enredo da produção é simples como os três acordes de qualquer hino do punk rock – que este ano faz 40 anos de vida. Galileu é um cara diferente. Incomodado, meio louco. Ouve vozes e não se enquadra no mundo de 300 anos à frente do nosso tempo. Um mundo pasteurizado e controlado por uma empresa de software que estabelece comportamento, cultura e música padrão. A individualidade é um tabu e fortemente reprimida. O rock é uma lenda.

Expressão de rebeldia e válvula de escape para sair da “normalidade”, o rock morreu e foi enterrado numa pedra. Galileu é o único que pode resgatá-lo. Mas será que sua ingenuidade e as forças controladoras do exército corporativo a serviço da Killer Queen – uma mistura malévola e podadora de Medusa e Cuca, com um tremendo vozeirão e um senso de humor duvidoso – , vão deixar? 

O enredo do musical, escrito pelo comediante e autor inglês Ben Elton em parceria com os membros do Queen, Brian May e Roger Taylor, pode parecer Sessão da Tarde. Sim, é uma história para qualquer criança entender – e é bom que seja assim, já que 2016 não está tão distante da pasteurização e da falta de curiosidade incentivados pela mídia e pelo marketing. Quanto menos rebelde e mais sem causa, melhor. E esse padrão começa a se impor cedo.

Mas Galileu não está nessa. Ele sabe que uma “lenda” pode se tornar o motor de uma nova transformação. É um inconformado e acaba encontrando outros como ele. “A energia que move meu personagem é inspirada em Freddie Mercury”, conta o cantor Alírio Netto, em entrevista exclusiva à brpress. “May e Taylor se inspiraram nela – um cara inquieto, que, desde garoto, sabia que era diferente e queria sempre se superar. Fazer diferente”. 

A versão brasileira de We Will Rock You, que estreou pela primeira vez em 14 de maio de 2002, em Londres, e já passou por palcos dos cinco continentes, é divertida com adaptações hilariantes de diálogos, personagens e canções – todas originais do Queen. Para quem é fã da banda, o musical é uma oportunidade de “ver” a obra da Rainha do rock num contexto diferente, juvenil e criativo. 

A produção é bem cuidada, os cantores seguram a onda – o destaque fica para a ótima Andrezza Massei como Killer Queen – e são quase todos cobras criadas na indústria de musicais paulistana, e tudo é supervisionado pelo guitarrista e o baterista do Queen. São 18 atores-cantores-bailarinos em cena, dirigidos pela equipe brasileira, incumbida da adaptação, e o time internacional, responsável pelo controle de qualidade da franquia – que deve seguir para o Rio, depois de 31 de julho

O que muda no We Will Rock You brasileiro?

Alírio Netto – Algumas piadas, referências e nomes de personagens, como o bibliotecário Toca [o famoso “Toca Raul” que todo DJ de festa está sujeito a ouvir a certa altura], encarnado por Felipe de Carolis. Acho que a energia é diferente em cada montagem. E isso é muito legal, pois faz de cada montagem única.

Você chegou a conhecer Brian May e/ou Roger Taylor? Obteve algum feedback deles sobre o seu Galileu?

AN – Infelizmente ainda não os conheci pessoalmente. Isso seria um sonho, pois sou muito fã do Queen. Mas houve um pitaco interessante de Brian May diretamente para nós [os músicos do Queen assistiram aos ensaios em vídeo). Ele disse que, independente de as músicas terem sido imortalizadas na voz de Freddie Mercury, a gente tinha de busca – e encontrar – nossa própria identidade ao interpretá-las.

Você acha que o fato de ser roqueiro na vida real influenciou na sua escolha para viver Galileu?

AN – Sim. Canto em bandas de rock desde os 15 anos e, aos quase 40, posso dizer que sou um roqueiro convicto, apesar de cantar em vários gêneros – até mesmo ópera [Alírio estudou canto lírico e dá aulas de canto]. Amo música de todos os estilos. Mas me considero devoto do rock [sua banda Artemis, de heavy metal, tocou no Rock in Rio 2015, e ele lança um disco solo este mês]. 

O que você ouve em seu “iPlayer” atualmente?

AN – Voltei a ouvir muito Queen, para me inspirar com o musical – afinal, faço sete espetáculos por semana!  Tenho curtido muito a banda Adrenaline Mob, mais pesadinha [leia-se bem pesada] e o cantor italiano Nek, em quem me inspirei muito para gravar meu primeiro disco solo.

Galileu é, até hoje, seu maior desafio como cantor? 

AN – Sim. O mais difícil em We Will Rock You é a coreografia [Alírio viveu Jesus, na montagem mesicana de Jesus Cristo Superstar e Judas, na montagem brasileira do mesmo muscial]. O grande desafio é evitar a fadiga vocal e corporal. E também o estresse psicológico decorrente de tantas exigências. Tenho de cuidar muito da voz, do corpo e da cabeça, porque senão você pira.

O que você faz para manter a forma e o pique cênico?

AN – Sou viciado em corrida, tomo muita água, tento comer na hora certa e dormir o suficiente – a qualidade do sono é fundamental para manter o pique.

Não é um estilo de vida que combina muito com rock n’roll…

AN – Não mesmo! [risos]. Está mais para atleta. Mas é essa a minha rotina. E a sigo com muito gosto e dedicação. 

Isso quando você não está pedindo sua colega de elenco em casamento no palco… [Lívia Dabarian, a sarcástica Scaramouche, que acompanha Galileu]

AN – [risos] É verdade! Eu dei um jeito e acabei me declarando durante Love of my Life [um dos momentos mais bonitos do espetáculo]. 

E quais são seus planos para o Dia do Rock? Há espetáculo nesta quarta-feira (13/07)? 

AN – Não há show na quarta, mas certamente a produção vai aprontar algo na quinta. Eu vou participar de um mutirão de roqueiros que vão doar sangue no Hospital das Clínicas – estão todos convocados – e à noite participar de show do Rafael Bittencourt], guitarrista do Angra, no Manifest. 

(Juliana Resende*/brpress)

(*) A jornalista assistiu ao espetáculo a convite da VisitBritain, em São Paulo.

Teatro Santander Complexo JK (Shopping JK) -. Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 2041, São Paulo

Sessões: Quintas e Sextas, às 21h; Sábados, às 17h e 21h; e Domingos, às 16h e 20h.

Capacidade: 1100 lugares

Acessibilidade: O teatro conta com 16 assentos para deficientes físicos e 10 para pessoas obesas.

Classificação etária: livre

Duração do musical: 2h15

Ingressos: De R$ 40 a R$ 300

Vendas: Ingresso Rápido (com taxa de conveniência) e na bilheteria do Teatro Santander, (sem taxa de conveniência), de Domingo a Quinta, das 12h às 20h, ou até inicio do espetáculo; Sexta e Sábado, das 12h às 22h. Telefone para vendas: (11) 4003 1022 (Entretix)   

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.