Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Leadenhall Market, na City em Londres, decorado para o Natal. Foto: Andrea KirstLeadenhall Market, em Londres: mercados são atração do Natal inglês. Foto: Andrea Kirst

Natal para inglês (e quem mais quiser) ver

Um breve roteiro para entender e participar desse caldo cultural que são as tradições e atrações natalinas na Inglaterra. Por Andrea Kirst

(Londres, brpress) – Natal é coisa séria na Inglaterra Não poderia ser diferente, em se tratando da nação mais rica  do Reino Unido. As tradições são tantas que seria um desafio (além de enfadonho) enumerá-las. E não são só para inglês ver. A graça é entender e participar desse caldo cultural. 

Tem os dias dos “suéteres de Natal no escritório”; comidas e bebidas típicas (como Christmas Cake e Mulled Wine, bolo de Natal e vinho quente, respectivamente); dia certo para trocar presentes que não gostou (Boxing Day, dia 26 de dezembro); os cartões (sim, os britânicos continuam amando enviar e receber cartões em papel); e o resto é meio parecido com qualquer outro lugar do mundo: enfeites, festas de firma, reuniões de família, amigos…

Iluminação natalina

Londres é uma atração à parte com suas luxuosas decorações de Natal, em ruas de compras como Oxford Street, Regent Street, Carnaby Street e Bond Street.

A capital britânica fica apinhada de turistas nesta época, apesar do frio e mau tempo (que contribuem para o climão natalino) e delicia os locais e visitantes com uma programação frenética de iluminação natalina, que se estende por quase todos os bairros. 

Do charmoso Covent Garden à Trafalgar Square, normalmente as inaugurações das decorações de Natal são uma festa, com direito a bebida, música, lojas abertas até mais tarde e, claro, a magia das luzes.

Comes, bebes, música e teatro

A inauguração de decoração natalina mais “secreta” de Londres é a do bairro chique Mayfair (a data não é abertamente divulgada para o público). Boutiques, galerias e restaurantes com várias estrelas Michelin oferecem aos visitantes comidas e drinks de cortesia.

A estrela da noite é a árvore de Natal, que fica na pracinha em frente ao uberchic hotel The Connaught.  

Mas qualquer canto tem seu encanto e o que vale,  é que a época de Natal nunca está completa sem as luzes natalinas, os mercados de artesanato e comidas – os populares Christmas Markets –, corais (sim, cantoria mesmo), muitas compras e teatro! 

Não é à toa que A Christmas Carol, clássico de Charles Dickens, tem sempre mais de três montagens em palcos londrinos nesta época, incluindo a  elegante e disputada encenação no tradicional teatro Old Vic.

Festa no interior

É no interior da Inglaterra que o Natal é mais inglês – ou pitorescamente – típico. Algumas cidades têm forte tradição dos mercados de Natal, que se tornaram atrações turísticas. 

No condado de Suffolk, a “market town” Bury St. Edmonds, por exemplo, tem uma programação intensa.

A fundação de Bury St Edmonds é desconhecida com exatidão, mas data da Idade do Bronze. A cidade ganhou esse nome por ser o local de sepultamento do rei Edmund, o Mártir, morto pelos dinamarqueses, em 869. 

Em Bury St Edmonds, a programação natalina é de encher os olhos com muita história, em diversas igrejas, uma imponente abadia e uma catedral. Seus mercados de Natal atraem turistas do mundo todo.

Pantomimas

O Natal não precisa ser só sentimentalismo. As tradicionais pantomimas – comédias escrachadas que recontam de forma hilariante famosas  fábulas infantis – são adoradas. O tal humor inglês se manifesta também nas tradições natalinas.

O mais divertido é que a pantomima é participativa –  o público é encorajado e esperado para cantar junto e gritar frases para os atores.

(Andrea Kirst, especial para brpress) 

#brpressconteudo #natal #Londres #Inglaterra #decoraçãodenatal #luzesdenatal #mercadosdenatal

Andrea Kirst

Especializada em Jornalismo Criativo pela New School For Social Research (NY) e Design Experimental de Moda pela Central Saint Martins, em Londres, onde mora há 10 anos, trabalhou na indústria da moda e colabora com a brpress.

Comentários

Publicar Comentário