Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

‘Socialistas’ que mais tempo governam no mundo

(Londres, brpress) - Partido dos Trabalhadores, fundado em 1887, converteu-se na principal formação política do país; terrorista seria da oposição. Por Isaac Bigio.

Isaac Bigio*/Especial para brpress

(Londres, brpress) – O trabalhismo norueguês, que foi o alvo dos ataques da fatídica sexta-feira (22/07), é o único partido que hoje governa algum país do globo que tenha sido um dos fundadores da Internacional Comunista de Lênin e Trotsky, em 1919. Nenhum outro partido socialista eleito hoje, em qualquer rincão do planeta, superou, como este, os 60 anos no poder (ainda que com interrupções) .

O ‘Arbeidespartei’ (Partido dos Trabalhadores) foi fundado em 1887 e, quatro décadas depois, converteu-se na principal formação política da Noruega. Após distanciar-se da Internacional Comunista, em 1923, voltou-se para a social-democracia.

Em 1928, durante duas semanas, teve um primeiro-ministro e, de 1935 a 1965, quase monopolizou o governo, salvo durante a ocupação nazista de 1940-45, quando continuou encabeçando o governo no exílio, em Londres, e ainda um mês em 1963. De 1971 a 2001, os “vermelhos” vêm administrando a Noruega, salvo em alguns períodos que somam dez anos.

Nos últimos 76 anos, os trabalhistas governaram 60 anos, e somente foram depostos eleitoralmente por seus opositores conservadores, de centro e democrata-cristãos, por intervalos que, juntos, duraram 16 anos.

Mais que Chávez

Nove líderes trabalhistas foram primeiros-ministros. Três deles superaram uma década no cargo, sendo Einar Gerhardsen o que mais tempo governou a Noruega, pois teve vários períodos que somam 17 anos e 17 dias no poder – algo que supera o mandato de Hugo Chávez (que preside ininterruptamente a Venezuela há 12 anos e meio).

A Noruega compartilha, com a Dinamarca e com a Suécia, uma língua ininteligível, um mesmo passado viking e um modelo político. Estes três países formam parte da região europeia que manteve todas as suas monarquias e que, ao mesmo tempo, esteve dominada pela social-democracia que moldou seu generoso estado de bem-estar social: a Escandinávia.

Oposição

No início dos anos 70, fundaram-se na Dinamarca e na Noruega os Partidos Progressistas como antítese do trabalhismo, pleiteando eliminar impostos, desestatizar escolas, hospitais, empresas e serviços sociais, bem como restringir a imigração.

Estes partidos coincidiram com o desenvolvimento de uma nova extrema direita europeia, a mesma que, ainda que se identificasse com as propostas anti-imigrantes e anti-muçulmanas dos neo-fascistas, não organizava atos de confronto nem tinha uma agenda estatizante.

‘Progressismo’

Nas últimas eleições norueguesas, o “progressismo” ficou em segundo lugar, com 24,1%, enquanto o trabalhismo vencedor teve 32,9% dos votos. Anders Behring Breivik, o responsável pela matança de quase 100 de seus compatriotas civis, passou a maior parte de sua vida adulta no “progressismo”.

Ainda que muitos se vejam tentados a interpretar a carnificina como a ação de um “louco”, o certo é que este fato também mostra que existe uma tendência dentro da direita xenofóbica legal para um novo tipo de terrorismo – como o que se deu em Oklahoma (EUA), em 1995.

(*) Isaac Bigio vive em Londres e é pós-graduado em História e Política Econômica, Ensino Político e Administração Pública na América Latina pela London School of Economics. É um dos analistas políticos latino-americanos mais publicados do mundo. Tradução de Angélica Campos/brpress. Fale com ele pelo e-mail [email protected] ou pelo Twitter @brpress.

Isaac Bigio

Isaac Bigio vive em Londres e é pós-graduado em História e Política Econômica, Ensino Político e Administração Pública na América Latina pela London School of Economics . Tradução de Angélica Campos/brpress.

Comentários

Publicar Comentário