Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Mães de Manguinhos, durante filmagem no Complexo de Manguinhos, Rio de Janeiro. Foto: Juliana Resende

O Haiti é aqui?

Documentário conecta a violência da Força de Paz da ONU no Haiti e das operações policiais e militares no Rio de Janeiro

(brpress) – “Agora eu quero gritar”. Com esta frase Vanessa Félix, mãe da menina Ágatha Vitória, assassinada pela polícia no Complexo do Alemão, Rio de Janeiro, em setembro de 2019, fecha a entrevista concedida ao documentário Right Now I Want to Scream: Police and Army Killings in Rio – The Brazil-Haiti Connection (62 mins., 2020).

Traduzido como Agora Eu Quero Gritar: Mortes pela Polícia e Exército no Rio – Uma Conexão entre Brasil e Haiti, o filme é parte de um projeto que conecta dois mundos: as comunidades marginalizadas de Cité Soleil, um dos maiores conglomerados de favelas de Porto Príncipe, e do Rio.

It Stays With You

Agora Eu Quero Gritar complementa outro documentário: It Stays with You: Use of Force by UN Peacekeepers in Haiti, de 2018 (“Isso Fica com Você: A Violência da Força de Paz da ONU no Haiti”, em tradução livre), dos diretores irlandeses Cahal McLaughlin e Siobhán Wills.

Ambos os filmes dão voz aos moradores de comunidades marginalizadas e o projeto é uma plataforma para contar suas histórias. E ambos os filmes questionam as políticas de segurança pública no Brasil e as regras de engajamento das tropas de manutenção da paz da ONU no Haiti, sob o comando militar brasileiro.

Militarização da polícia e força letal

Da mesma forma que os diretores foram a Cité Soleil para examinar o impacto dos ataques da MINUSTAH (Missão de Paz das Nações Unidas no Haiti) na comunidade e descobrir como estavam as vítimas dez anos depois, o documentário Agora Eu Quero Gritar visita territórios que tiveram intervenções militares e são constantes alvos de operações policiais no Rio.

Vítimas – na maioria mães que tiveram seus filhos mortos – são ouvidas, usando práticas participativas. Também são entrevistados líderes comunitários de coletivos como Mães de Manguinhos, Redes da Maré e Mulheres em Ação no Alemão. Especialistas de instituições como Fiocruz, principal instituto de saúde pública da América Latina, e da ONG internacional Conectas Direitos Humanos, contextualizam a realidade apresentada em Agora Eu Quero Gritar.

‘Guerra aos pobres’

“O uso proativo da força mortal para fins de aplicação da lei é uma violação grave da lei internacional de direitos humanos, ainda mais em contextos como o Haiti e o Brasil, onde não há conflito armado”, ressalta Siobhán Wills, professora de Direito no Transitional Justice Institute, da Universidade de Ulster, na Irlanda do Norte. “É uma “guerra aos pobres”, define Wills.

O projeto é financiado pelo Arts and Humanities Research Council UK.

Sobre os diretores

Cahal McLaughin é professor de Estudos de Cinema na Queen’s University Belfast e diretor do documentário Prisons Memory Archive. Trabalhou em filmes na África do Sul e na Irlanda, explorando os legados da violência de estado.

Siobhán Wills é professora de direito no Transitional Justice Institute, da Ulster University, Irlanda do Norte. Seus interesses de pesquisa são Manutenção da Paz, Direitos Humanos e Direito Internacional Humanitário. Seu foco atual é a Missão de Estabilização da ONU no Haiti e conexões com operações nas favelas do Brasil.

Foto: Mães de Manguinhos, durante filmagem no Complexo de Manguinhos, Rio de Janeiro. Juliana Resende

#brpressconteudo #agoraeuquerogritar #Haiti #RiodeJaneiro #favelas #violenciaarmada #violenciapolicial

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.