Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Ministro fala sobre paralisação de médicos  

(São Paulo, brpress) – Alexandre Padilha afirma que profissionais têm direito de protestar e sugere parceria entre SUS e seguradoras particulares, além de comentar sobre epidemia de dengue. Por Gabriel Bonis.

(São Paulo, brpress) – Em uma reunião com o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, na tarde desta sexta (08/04), no prédio da instituição, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, discutiu com a iniciativa privada o Programa de Avaliação e Desempenho do Sistema Público de Saúde – um índice para avaliar a qualidade da saúde no país e indicar maneiras de melhorar os serviços.

O ministro também assinou uma parceria com a prefeitura paulista para a transferência do sistema de informação Siga SP, que permite acompanhar digitalmente o histórico do paciente e consultas, e falou sobre a paralisação, por 24h, dos médicos que atendem em planos de saúde, na última quinta (07/04) . Os protestos foram organizados pela Associação Médica Brasileira, Conselho Federal de Medicina e Federação Nacional dos Médicos.

“Não cabe a um ministro de saúde apoiar ou não um protesto. Acredito que qualquer reivindicação tem de ser ouvida. Há um processo de negociação entre os médicos e as operadoras de planos de saúde”, disse Padilha. A categoria reivindica aumento do valor da consulta para R$ 60,00, ao invés da média entre R$ 25,00 e R$ 40,00. O ministro ainda pediu que os serviços não fossem interrompidos enquanto as negociações estiverem em andamento.  
Regulação

No evento, os médicos reclamaram contra a interferência dos seguros no tratamento dos pacientes, que criam obstáculos para a solicitação de exames avançados e internações, pressionam para redução de procedimentos, antecipação de altas e transferências.

Sobre estas queixas, o ministro declarou que a Agência Nacional de Saúde Suplementar trabalha para impor melhorias na qualidade dos planos de saúde. “A Agência já estipulou novas medidas para a redução do tempo de espera, colocando isso inclusive como critério para avaliação dos planos. Há uma discussão agora sobre as novas regras para a portabilidade, ou seja, a mudança de plano”.

Ressarcimento

Padilha também manifestou o interesse em estabelecer relação mais próxima com as operadoras de planos de saúde. “Vamos continuar cada vez mais tendo informações sobre os planos de saúde na área pública para discutir o ressarcimento, porque muitas pessoas usam as seguradoras, mas quando precisam de procedimentos de alta complexidade acabam utilizando o setor público, que não é ressarcido”, ressaltou.

Padilha afirmou que em sua gestão construir uma agenda em parceria com o setor privado “é uma prioridade, inclusive para que esse ressarcimento exista”.

Dengue, sódio e gorduras

O ministro comentou a epidemia de dengue no país e disse que o governo está orientando, desde janeiro, todos os estado em risco. “Quando comparamos esse três meses de 2011, com os do ano passado, tivemos uma redução de 62% dos óbitos, 69% de casos graves e 43% do numero total de casos de dengue. Mas isso é não é motivo para baixar a guarda”, disse.

Padilha ainda anunciou as medidas para controlar quantidades de gordura e sódio nos alimentos, que serão monitoradas pelo Ministério da Saúde e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). “Assinamos um acordo com a indústria de alimentos e supermercados, que estabelece metas de redução de 30% de sódio nas massas de macarrão instantâneo – que possuem o maior teor – e 10% em pães e bisnagas, até 2012″, anuncia.

No segundo semestre acontece a implantação de um programa para redução de gordura. “Essa redução é fundamental, porque traz a indústria alimentícia para o debate. O Brasil é pioneiro com o acordo voluntário. Enfrentar esse tema é fundamental para a saúde, pois 48% das pessoas nas capitais têm sobrepeso e 15% estão obesas”, conclui o ministro.

(Gabriel Bonis/Especial para brpress)

Comentários

Publicar Comentário