Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Mandela

(Londres, brpress) - Ele entendeu que seus aliados perderam a Guerra Fria e, por isso, friamente, adaptou-se aos que ganharam esta guerra. Por Isaac Bigio.

(Londres, brpress) – A morte de Nelson Mandela, aos 95 anos de idade, e seu funeral continuam ocupando a midia global. A imprensa de todos os tons políticos o elogia – algo inusual para um governante.

    O premiê britânico David Cameron esteve em suas exéquias e foi muito comentado que ele, Obama e a primeira-ministra dinamarquesa tivessem tirado juntos uma foto festiva no meio da cerimônia.

    No entanto, o dado interessante é que o primeiro-ministro do Reino Unido pertence ao mesmo Partido Conservador, que, nos anos 80, governou com Thatcher classificando Mandela como terrorista.

Reconciliação

    A direita mundial, depois de haver vilipediado Mandela como “extremista”, terminou bendizendo-o: quem passou 27 anos preso condenado como terrorista foi se transformando na cadeia. O preso acabou reconciliando-se com seus encarceradores e chamando a uma reconciliação nacional.

    As mídias mundiais coincidem em mostrar Mandela como o homem que evitou uma guerra civil no país mais rico da África, logrando que se mantivesse todo o sistema prévio, mas permitindo que a maioria negra pudesse exercer a presidência e ocupar os ministérios.

Luta continua

    Com certeza, Mandela é o símbolo do fim da segregação dos negros, mas a miséria, o analfabetismo e a discriminação econômica contra as maiorias não-brancas persiste. Os que se beneficiaram com as torturas e o Apartheid seguem mantendo suas empresas e, inclusive, muitos de seus postos administrativos.

    Na África do Sul sobrevive o reino autocrático da Suazilândia, onde seu monarca tem direito de escolher as mulheres de seu harém e a mostrar grande opulência enquanto sua nação é uma das mais infectadas pela Aids em toda a história global.

    Com Mandela, a África do Sul deixou de ser a única potência imperial africana a se armar contra Moçambique e Angola para conseguir um entendimento com os governos de origem marxista destas ex-colônias portuguesas, os quais hoje fomentam investimentos privados e estrangeiros e transformaram seus inimigos armados em parte do sistema.

    Mandela fez com que a África do Sul eliminasse suas armas de destruição massiva, algo que a Líbia e o Iraque também fizeram, mas diferentemente destes países árabes, a África do Sul não foi bombardeada e sim abençoada pelos grandes do mundo.

Castro e Obama

    No enterro de Mandela deram-se as mãos Raúl Castro e Barack Obama. Esquerda e direita vêem nele o homem que pode reconciliar estes extremos e um modelo para a paz na Irlanda do Norte, no País Basco, Palestina, Colômbia, entre outros.

    Mandela foi o símbolo daqueles antigos guerrilheiros e anti-imperialistas que buscaram realinhar-se com os EUA, acreditando que, com o fim do bloco soviético, não valia mais a pena nacionalizar empresas nem defender uma economia planificada.

    Mandela entendeu que seus aliados perderam a Guerra Fria e, por isso, friamente, buscou adaptar-se aos que ganharam esta guerra. O antigo terrorista se converteu numa mercadoria e sua imagem tornou-se uma das mais populares do mundo empresarial.

    Mandela abriu o caminho para houvesse negros na Secretaria Geral da ONU e na Casa Branca. Também serviu de exemplo para que um ex-sindicalista classista da maior nação do hemisfério sul, o Brasil, se tornasse um administrador das empresas de seu país.

    Mandela morre sendo um símbolo do fim da bipolaridade e da nova ordem mundial na qual se busca amenizar as diferenças entre direita e esquerda, em troca de que a segunda renuncie à violência e ao socialismo e aceite o capitalismo liberal, e que a primeira abandone o golpismo e os extremos.

(*) Isaac Bigio vive em Londres e é pós-graduado em História e Política Econômica, Ensino Político e Administração Pública na América Latina pela London School of Economics. É um dos analistas políticos latino-americanos mais publicados do mundo. Fale com ele pelo e-mail [email protected] , pelo Twitter @brpress e/ou no Facebook. Tradução: Angélica Campos/brpress.

Isaac Bigio

Isaac Bigio vive em Londres e é pós-graduado em História e Política Econômica, Ensino Político e Administração Pública na América Latina pela London School of Economics . Tradução de Angélica Campos/brpress.

Comentários

Publicar Comentário