Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Luiz Henrique Mandetta: ministro da Saúde virou principal ativo político nas eleições de 2022. Foto: : Isac Nóbrega/PR

Quem ‘era’ Mandetta antes da COVID-19?

(brpress) - De ministro apagado de Bolsonaro, chefe da Saúde virou principal ativo político nas eleições de 2022, apesar de responder à ação por improbidade administrativa. Conheça sua trajetória e ideias. Por Juliana Resende.
 Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), foi alçado ao status de herói nacional – posto que tirou do ex-juiz e ministro da Justiça, Sergio Moro.

(brpress) – Principal ativo político até onde for a COVID-19 ou até as eleições de 2022 e protagonista na administração da crise proveniente do avanço do novo coronavírus, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), foi alçado ao status de herói nacional – posto que tirou do ex-juiz e ministro da Justiça, Sergio Moro. 

 Cotado para concorrer à presidência, a candidatura do ministro Mandetta pode sofrer turbulências devido à ação por improbidade administrativa – o mesmo recurso jurídico que o ministério Público Federal (MPF) estuda aplicar, segundo nota divulgada em 11/04, em prefeitos e governadores que flexibilizarem medidas de isolamento social durante a pandemia.

 A ação por improbidade administrativa envolvendo Mandetta, que segue em julgamento na Justiça Federal, foi aberta em 2015. Foi quando o MPF do Mato Grosso do Sul ajuizou duas ações de improbidade administrativa por fraudes na licitação e implantação do sistema de Gestão de Informações em Saúde (GISA), pela prefeitura de Campo Grande. 

Relações perigosas

 De acordo com o MPF, foram denunciados o ex-prefeito Nelson Trad Filho (PMDB), o ex-secretário de Saúde Pública – cargo ocupado por Mandetta, a convite do então prefeito, seu primo –,  e outras 24 pessoas, entre elas Carlos Alberto Andrade e Jurgielewicz, nomeado como atual secretário-executivo adjunto no ministério da Saúde. 

 Mandetta, que assumiu a secretaria municipal de Saúde de Campo Grande em 2004, em plena epidemia dengue – nega irregularidades. 

 Diante da tensão e divergências  evidentes na cada vez mais deteriorada relação do ministro da Saúde com o presidente Jair Bolsonaro, que ameaçou demiti-lo e segue contrariando as orientações de isolamento social ratificadas pelas autoridades sanitárias, a pergunta que não cala é: como Mandetta se aproximou de Bolsonaro? 

 Após ser cotado como o candidato do DEM ao governo do estado do Mato Grosso do Sul em 2018 e desistir de concorrer, o médico ortopedista foi levado para o governo federal pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), que também é médico – hoje rompido com Bolsonaro, durante a crise do presidente com Mandetta, por causa das divergências sobre o isolamento social horizontal (em que todos, independente de ser grupo de risco, devem ficar em casa).

Maconha medicinal 

 Mandetta e Bolsonaro se conheceram no Congresso Nacional, fazendo oposição ao PT – em 2010, Mandetta saiu do PMDB e foi eleito deputado federal pelo DEM  –, principalmente durante o segundo governo de Dilma Roussef, quando, em 2014, o atual ministro da Saúde foi reeleito. Seu mandato foi marcado pelas fortes críticas ao programa Mais Médicos – substituído pelo programa Médicos pelo Brasil, que ele lançou no governo Bolsonaro –, por ser contrário à legalização do aborto e relativamente aberto ao uso medicinal da maconha, postura que mudou ao virar ministro. 

 Há uma regulamentação em análise na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que propõe liberar o cultivo da maconha para elaboração de medicamentos, que hoje só podem ser importados com autorização e têm alto custo. Segundo a Anvisa, 67,8% das contribuições recebidas em consulta pública sobre a proposta consideram que traz impactos positivos. Mandetta chegou a afirmar que não via problemas na proposta da agência, desde que “seguisse princípios e descobertas científicas”. 

 Mas após o ministro da Cidadania, Osmar Terra (PMDB), outro médico – cotado para substituir Mandetta na pasta da Saúde, caso ele fosse demitido pelo presidente – e o próprio Bolsonaro se posicionarem radicalmente contra a regulamentação, Mandetta mudou de posição. Atualmente, Mandetta mantém o silêncio sobre o projeto de lei que prevê a legalização do plantio da maconha para fins medicinais.  

Liderança midiática

 Apesar do ambiente hostil e instável, o fato é que Mandetta emerge da crise proveniente do avanço do novo coronavírus como uma nova liderança – não pelo fato de ter sido eleito, “qualidade” que ele atribui a Bolsonaro, mas porque se pauta na racionalidade científica dos argumentos pela necessidade do isolamento social e pelo jogo político. 

 Fica clara e insalubre a disputa de poder do presidente com seu mais importante e midiático ministro do momento – ainda mais após Mandetta ter sido convidado para ser secretário de Saúde do estado de São Paulo, pelo governador João Dória (PSBD), atual arqui-rival de Bolsonaro (o mesmo que apoiou abertamente na campanha à presidência), e cuja política de saúde pública não só reforça o isolamento social mas promete endurecê-lo, com multas e prisões, caso não seja obedecido com mais rigor pelos paulistas.

(Juliana Resende, brpress)

Foto: Luiz Henrique Mandetta: ministro da Saúde virou principal ativo político nas eleições de 2022. Isac Nóbrega/PR

#Mandetta

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.